A+ / A-

Processo de canonização de Bartolomeu dos Mártires "está no bom caminho"

22 mai, 2018 - 14:07 • Liliana Carona

Falta "ultimar o documento final" para que o beato da região Norte seja finalmente santo.
A+ / A-

Os bispos da província eclesiástica de Braga reúnem-se esta terça-feira para avaliar o processo de canonização do beato Bartolomeu dos Mártires. Os prelados procuram assim encontrar uma solução para acelerar o processo para que, já no próximo ano, seja anunciada a canonização do religioso português.

“Bartolomeu dos Mártires foi um grande arcebispo de Braga, do seculo XVI, do Concílio de Trento, um grande impulsionador do concílio, e um realizador dessa reforma na arquidiocese de Braga, com a criação do seminário, com a restruturação de toda a arquidiocese”, explica D. Jorge Ortiga, arcebispo de Braga, que se encontra este sábado com os restantes bispos da província eclesiástica na diocese de Viseu, no Paço Episcopal.

“Temos o trabalho de juntar todos os elementos possíveis, com todo o pormenor, está tudo pronto, só faltam ultimar pormenores”, acrescenta D. Jorge Ortiga, que quer ver o processo de beatifucação conluido no próximo ano.

A reunião, que acontece uma vez por trimestre, vai servir para “ultimar o documento final” do processo. “Ele é muito importante para as dioceses do norte. Está tudo no bom caminho, e queremos que se acelere um pouco mais o ritmo”, considera D. Jorge Ortiga.

Bartolomeu dos Mártires foi declarado venerável, a 23 de março de 1845, pelo Papa Gregório XVI, e beato, a 4 de Novembro de 2001, pelo Papa João Paulo II. A 20 de janeiro, o Papa Francisco concedeu, em audiência à Congregação para a Causa dos Santos a autorização necessária à dispensa do milagre "formalmente demonstrado" para a declaração de santidade do beato.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.