Tempo
|
A+ / A-

Economistas lançam livro com críticas ao Governo. Entre os autores está um socialista

10 abr, 2018 - 07:32 • Paulo Ribeiro Pinto

O deputado Paulo Trigo Pereira já tinha publicado um artigo em defesa de uma política orçamental "menos restritiva" do que a prevista pelo Governo.

A+ / A-

Um grupo de economistas de que faz parte o deputado independente eleito pelo PS Paulo Trigo Pereira lança, esta terça-feira, um livro com propostas orçamentais alternativas às do Governo e com o aviso de que não deverá haver descida de impostos até 2021.

Paulo Trigo Pereira, Ricardo Cabral, Luís Teles Morais e Joana Andrade Vicente consideram existir uma preocupação excessiva com as metas do défice e chumbam as previsões do executivo, apresentando metas mais modestas do que as propostas pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, para os próximos três anos.

Na opinião de Paulo Trigo Pereira, o excedente orçamental de 0,25% do PIB que o Governo está a contemplar (e que os economistas contestam), a rondar os 1.300 milhões de euros, deve ser utilizado para reforçar e financiar os serviços públicos - como a saúde.

“Há, de facto, suborçamentação crónica na saúde, mas há também problemas de gestão. Há que identificar as ineficiências na gestão e superar essas ineficiências”, diz o deputado à Renascença.

Quanto a alívios fiscais, o deputado acredita que até 2021 não há margem para grandes descidas: “Nos próximos três anos, não há grandes condições para reduzir o nível de fiscalidade. Basicamente, no nosso cenário, há algum ligeiro desagravamento do IRS e do IRC.”

No livro, os quatro economistas consideram ainda que as previsões do Governo para a descida da despesa com pessoal não se deverão concretizar, tendo em conta o descongelamento das carreiras e a integração de mais funcionários, a que se soma a reposição de salários.

“Uma Estratégia Orçamental Sustentável para Portugal” é lançado ao final da tarde desta terça-feira, a poucos dias da apresentação do Programa de Estabilidade que Portugal terá de enviar a Bruxelas.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+