Tempo
|
A+ / A-

Papa diz que é preciso “levar jovens a sério”

19 mar, 2018 - 19:23 • Ecclesia

Francisco inaugura reunião inédita com mais de 300 participantes, incluindo três portugueses, para preparar Sínodo dedicado à juventude.

A+ / A-
Papa: "Não basta trocar mensagens ou fotos simpáticas. Os jovens têm de ser levados a sério"
Papa: "Não basta trocar mensagens ou fotos simpáticas. Os jovens têm de ser levados a sério"

O Papa inaugurou esta segunda-feira os trabalhos de uma inédita reunião pré-sinodal com jovens de todo o mundo, para preparar a próxima assembleia do Sínodo dos Bispos, e defendeu que os jovens têm de ser levados “a sério”.

“Não basta trocar algumas mensagens ou partilhar fotos simpáticas. Os jovens têm de ser levados a sério!”, disse, na sua primeira intervenção, após ter recebido no Pontifício Colégio Internacional “Mater Ecclesiae”, de Roma, com momentos de oração e cânticos.

Francisco advertiu para uma cultura que, apesar de “idolatrar a juventude”, acaba por ignorar os mais novos e “exclui muitos jovens” da possibilidade de serem “protagonistas”.

O encontro congrega cerca de 300 participantes, em Roma, incluindo três portugueses, até 24 de março.

O Papa convidou a “falar com coragem” e a “escutar com humildade”.

“Cada um tem o direito de ser escutado, todos têm o direito de falar”, acrescentou.

Francisco brincou com os 15 mil jovens que já estão ligados aos trabalhos, através das redes sociais, em todo o mundo, acompanhando os trabalhos “em vez de ir dormir”.

A saudação inicial destacou a “grande variedade de povos, culturas e religiões” representada nesta reunião pré-sinodal, com crentes e não-crentes.

“Fostes convidados porque o vosso contributo é indispensável: temos necessidade de vós para preparar o Sínodo que em outubro reunirá os bispos sobre o tema ‘Os jovens, a fé e o discernimento vocacional’”, declarou o Papa.

O pontífice saudou a “força” que os jovens têm para “dizer as coisas”, para “rir e chorar”, enquanto os adultos se habituam, muitas vezes, a encolher os ombros e a dizer “o mundo é assim”.

“Demasiadas vezes se fala dos jovens sem os interpelar”, advertiu.

Francisco lamentou que se evite o encontro “cara a cara” com os mais novos, preferindo um discurso abstrato.

“A juventude não existe, existem jovens, histórias, rostos”, precisou.

O discurso lamentou a existência de pensamentos que defendem uma “distância de segurança” face aos jovens, admitindo que estes não são propriamente o “prémio Nobel da prudência”, o que provocou o riso da assembleia.

Francisco reforçou as suas preocupações com o nível do desemprego juvenil e a marginalização dos jovens da vida pública, obrigados a “mendigar ocupações” que não garantem um futuro.

“Isto é um pecado social, a sociedade é responsável por isto”, denunciou.

Durante esta reunião pré-sinodal é possível participar nos trabalhos enviando o resultado da reflexão a um dos grupos linguísticos, através da página oficial, ou no Facebook.

O Vaticano estuda, neste momento, as propostas enviadas pelas conferências episcopais e as mais de 221 mil respostas ao questionário que foi disponibilizado na internet, das quais cerca de 20% são relativas a não-católicos.

O Papa citou algumas destas respostas, que mostram “alguns perigos” elencados por uma jovem, como o álcool, a droga, “uma sexualidade vivida de forma consumista”, por causa da “falta de pontos de referência”.

“Temos de aprender, na Igreja, novas formas de presença e de proximidade”, admitiu o pontífice.

“Temos necessidade de ousar caminhos novos”, apontou Francisco, sem medo de “sair para as periferias existenciais” ou cedendo ao “veneno” da “lógica do ‘sempre se fez assim’”.

O Papa espera que deste encontro surjam indicações para uma Igreja de rosto jovem, não “rejuvenescido artificialmente”, com respeito pelas “raízes”, os “velhos, os avós”, sem os descartar.

“Asseguro-vos que o vosso contributo vai ser levado a sério”, concluiu.

Dos trabalhos vai sair um documento que será entregue ao Papa a 25 de março, Domingo de Ramos e Dia Mundial da Juventude, jornada que este ano é celebrada a nível diocesano.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+