Tempo
|
A+ / A-

CTT lançam selos comemorativo dos 50 anos da Comunidade Islâmica de Lisboa

14 mar, 2018 - 18:06

São quatro os selos lançados pelos Correios, com imagens alusivas à vida da comunidade.

A+ / A-

Os CTT vão lançar uma série de selos comemorativos dos 50 anos do estabelecimento da Comunidade Islâmica de Lisboa (CIL).

A comunidade celebra os 50 anos da sua formação com uma série de eventos a decorrer na Mesquita Central de Lisboa e o lançamento oficial dos selos está integrada nesta programação, que conta com a presença de Marcelo Rebelo de Sousa, de António Guterres e do imã da Universidade de al-Azhar, no Egipto, a principal instituição de ensino do mundo muçulmano sunita.

A cerimónia de lançamento será às 16h de sexta-feira, na Mesquita.

A primeira comunidade muçulmana oficial na Península Ibérica desde a reconquista cristã foi formada em 1968 por estudantes islâmicos oriundos das colónias portuguesas. Seriam precisos mais nove anos, contudo, para que a Câmara Municipal de Lisboa cedesse o terreno em que viria a ser construída a Mesquita Central.

São quatro os selos lançados pelos CTT, com imagens alusivas à vida da comunidade.

Numa nota enviada à Renascença, os Correios dizem que “voltam assim a mostrar que procuram sempre através da filatelia e de acordo com os seus propósitos, evocar nas suas edições e nas emissões de selos de cada ano, personagens, criações, efemérides, histórias e patrimónios do maior relevo internacional e nacional.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • couto machado
    15 mar, 2018 Porto 15:51
    Li num "jornal" diário da cidade do Porto, que pausas para rezar tiram têxteis de África. Dizem que as empresas preferem importar trabalhadores do Bangladesh e Índia. Já não levam produção para Marrocos e Tunísia Até vão mandar construir uma unidade de alojamento, com um custo previsto de 400 000 euros para 26 quartos. Por cá, a malta não perde tempo a rezar, mas é mais cara e, não há ! No Bangladesh o salário é de 145 euros/mês e na India 200 euros/mensais. Por cá o salário mínimo é de 580 euros/mensais .Por lá a mão de obra é abundante e qualificada...

Destaques V+