Tempo
|
A+ / A-

Universitários católicos em missão pelo país. ​“É pena que não venham cá mais vezes”

23 fev, 2018 - 17:06 • Teresa Paula Costa

Missão País levou 70 estudantes de Direito de Lisboa até Vieira de Leiria. A nível nacional houve 52 missões, de 43 faculdades diferentes.

A+ / A-

Criada com o objetivo de “levar Jesus às universidades”, a Missão País convida os jovens a darem testemunho da sua fé “através da caridade e do serviço”. O projeto, que começou em 2003 com apenas 20 estudantes, tem vido sempre a crescer. Este ano envolve milhares de estudantes em 52 missões de 43 faculdades de Lisboa, Porto, Braga, Coimbra e Aveiro. As missões decorrem em várias localidades de norte a sul do país.

Em Vieira de Leira estão, até domingo, 70 estudantes da Faculdade de Direito de Lisboa. É já o quarto ano consecutivo que aquela localidade recebe a Missão País, e tanto quem vai, como quem recebe, faz um balanço muito positivo da iniciativa.

“São todos muito educados e muito meigos. Só é pena que não venham cá mais vezes”, diz à Renascença Felismina Ferreira, de 83 anos. Também Rosa Moreira, de 94 anos, não esconde a sua alegria por este contacto. “Vêm ensinar-nos e dizer-nos coisas bonitas”, conta, enquanto pinta um sol para fazer um quadro que perpetuará a presença dos jovens no lar da paróquia.

O convívio com idosos é um dos pontos mais importantes da Missão País, e são vários os estudantes que se dedicam à animação do lar. “Chegamos de manhã e ficamos até às quatro da tarde”, explica Madalena Marques, chefe de grupo da comunidade. De manhã têm sempre uma atividade, “das artes plásticas à culinária”, mas fazem muito mais coisas. “Estamos com eles, cantamos com eles, fazemos jogos lá fora, e à tarde temos outra atividade, que é o teatro da Missão País”, conta-nos entusiasmada.

Carmélia Pinto, a diretora técnica do Lar, considera esta presença dos jovens muito positiva para todos. “O contacto com idosos nem sempre é facilitado na nossa população, até porque os jovens têm hoje uma vida muito agitada e nem sempre estão juntos. Por isso esta proximidade, esta troca de saberes, é muito positiva para eles. E principalmente para os idosos que estão em casa, que estão limitados no contacto com pessoas”.

Também Manuel Mendes, chefe-geral da Missão País em Vieira de Leiria, sublinha a importância que esta iniciativa católica universitária tem tido, e que mostra aos jovens o que é servir os outros. “Estamos divididos em diferentes comunidades, e cada comunidade tem um foco, seja o lar seja a escola, o domicílio ou a creche”. Cinco dos estudantes asseguram outras atividades que também fazem falta: “estão a limpar e a arranjar a casa de uma senhora que tem uma situação difícil”.

“É uma experiência que nos marca muito, e nos marca para a vida”, acrescenta este responsável, sublinhando que “o espírito com que os missionários vêm faz com que a semana corra sempre muito bem, e embora no final estejamos todos muito cansados, é bom ver a sensação de reconforto que as pessoas têm por sentirem que estão a dar tudo, mas que também estão a receber muito”.

A Missão País decorre sempre entre final de janeiro e março, e dura uma semana. Os estudantes aproveitam a pausa letiva entre semestres para participarem neste projeto de voluntariado, que tem uma dimensão solidária, mas também evangelizadora e de crescimento espiritual para quem participa.

Cada grupo vai no mínimo durante três anos consecutivos para a mesma localidade, o que permite ir consolidado o trabalho que se faz. Em Vieira de Leiria a Missão foi preparada em conjunto com a paróquia local, e os jovens realizam trabalho solidário de proximidade junto das populações infantil e juvenil (envolvendo os alunos do Agrupamento de Escolas de Vieira de Leiria) e idosa (envolvendo os utentes dos lares e residentes da freguesia).

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+