Tempo
|
A+ / A-

Religiosa sequestrada pela Al-Qaeda pede ajuda ao Papa

31 jan, 2018 - 14:34 • Ecclesia

Irmã Gloria Cecilia Narváez Argoti surge em vídeo revelado pela agência Al Akhbar.

A+ / A-

A irmã Gloria Cecilia Narváez Argoti, sequestrada no Mali há cerca de um ano, pela Al-Qaeda, voltou a ser vista num vídeo em que pede ajuda ao Papa Francisco para a sua libertação.

A intervenção é considerada como uma “prova de vida”, informa a fundação pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), em comunicado enviado hoje à Agência Ecclesia.

Na sua mensagem, a religiosa apela ao Papa para que interceda “até ao impossível” pela sua libertação.

Neste vídeo, revelado pela agência Al Akhbar, ligada aos jihadistas, a irmã faz uma referência ao Natal e à viagem que Francisco “iria fazer” a dois países da América Latina, Chile e Peru.

A AIS adianta que “o vídeo é assumido como tendo sido produzido pela Frente Al Nusra para o Islão e os Muçulmanos”, uma organização terrorista ligada à Al-Qaeda que agrupa os principais movimentos jihadistas na região do Sahel.

A religiosa colombiana, de 56 anos, fala em francês e lembra que está em cativeiro desde o dia 7 de Fevereiro de 2017, altura em que foi sequestrada por um comando jihadista numa igreja em Karangasso, zona rural situada a cerca de 400 quilómetros da capital, Bamako.

No final do vídeo, os sequestradores propõem um canal de diálogo “através de organizações de caridade independentes da força colonialista”.

“O vídeo com a irmã colombiana volta a colocar os holofotes sobre a situação extremamente delicada em que se encontram as comunidades cristãs no Mali”, denuncia a AIS.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+