Tempo
|
A+ / A-

Papa ataca corrupção no Peru. "É como um vírus social que tudo infecta"

19 jan, 2018 - 22:18

Na plateia estava o Presidente peruano, Pedro Pablo Kuczynski, que recentemente foi alvo de um pedido de destituição, por ligações à construtora brasileira Odebrecht.

A+ / A-

A corrupção é como um “vírus social” que tudo infecta e é preciso combater, apelou o Papa Francisco num encontro com as autoridades, sociedade civil e corpo diplomático, que decorreu no Palácio do Governo do Peru, em Lima.

Na plateia estava o Presidente do Peru, Pedro Pablo Kuczynski, que recentemente foi alvo de um pedido de destituição, por ligações à construtora brasileira Odebrecht, que acabou por ser chumbado no Parlamento.

“A corrupção. Quanto mal faz, aos nossos povos latino-americanos e às democracias deste abençoado continente, este «vírus» social. É um fenómeno que tudo infecta, sendo os pobres e a mãe-terra os mais prejudicados”, declarou o Papa.

“Tudo o que se puder fazer para lutar contra este flagelo social merece a maior das considerações e cooperações; e esta luta pertence-nos a todos”, defendeu Francisco neste primeiro dia de visita ao Peru.

O Sumo Pontífice considera que o mundo precisa de uma “maior cultura da transparência entre entidades públicas, sector privado e sociedade civil”.

“Ninguém pode ficar alheio a este processo; a corrupção é evitável e exige o compromisso de todos”, reforçou o Papa perante o poder político peruano.

Francisco fez um apelo a todos os que ocupam cargos de responsabilidade, seja qual for a área: "encorajo-os e exorto-os a comprometer-se neste sentido para oferecer, ao vosso povo e à vossa terra, a segurança que nasce da convicção de que o Peru é um espaço de esperança e oportunidades... mas para todos e não só para poucos".

O grito da Amazónia, a escravatura moderna e as estrelas do Principezinho
O grito da Amazónia, a escravatura moderna e as estrelas do Principezinho
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+