A+ / A-

MP confirma quatro arguidos no "caso" Rio Ave

28 dez, 2017 - 17:46

O Ministério Público já confirmou a existência de quatro arguidos na sequência da investigação ao jogo Feirense-Rio Ave, da 20.ª jornada da Liga da temporada passada.
A+ / A-

O Ministério Público (MP) confirmou, esta quinta-feira, à agência Lusa, a existência de quatro arguidos no âmbito da investigação ao encontro entre o Feirense e o Rio Ave, da I Liga.

Segundo notícia da SIC, na quarta-feira, quatro jogadores do Rio Ave foram constituídos por, alegadamente, terem sido pagos para perderem o jogo com os "fogaceiros". A partida, da temporada passada, disputada a 6 de Fevereiro, terminou com derrota, por 2-1, dos vila-condenses.

"Em causa estão suspeitas da prática do crime de corrupção na actividade desportiva”, confirma o MP. "Este inquérito, instaurado no Ministério Público de Santa Maria da Feira e recentemente remetido ao DIAP distrital do Porto, tem quatro arguidos constituídos."

Os nomes dos jogadores não foram revelados, por estarem em segredo de justiça. Os atletas terão sido aliciados para a prática de resultados combinados por agentes ligados ao negócio do futebol. Os intermediários terão conseguido milhares de euros de lucro em várias casas de apostas, ainda segundo a SIC.

Na altura, o Departamento de Jogos da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa suspendeu as apostas para essa partida, dado o "volume atípico de apostas registados e ao risco financeiro envolvido", tendo sido noticiada uma alegada aposta de 100 mil euros de um apostador proveniente da China.

Há agora suspeitas da prática do crime de corrupção desportiva.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.