Na bexiga mando eu - Renascença

Com o apoio
Em parceria com

Com o apoio
Em parceria com

Não sofra em silêncio por causa de um problema que tem solução

03.03.2021

São quase dois milhões de portugueses, homens e mulheres, de todas as idades, que sofrem em silêncio. Mas não tem que ser assim. A incontinência urinária tem tratamento. Consulte o seu médico e descubra quem manda afinal na sua bexiga. Ajude a desmistificar um problema que tem solução!

Sempre a caminho da casa de banho, dorme mal, tem dificuldade em concentrar-se no trabalho, evita deslocar-se, tem a sua vida social limitada e a qualidade de vida comprometida? Já lhe aconteceu ou conhece alguém que tenha estes sintomas?

A necessidade frequente, intensa e urgente de à casa de banho é a característica principal da síndrome de bexiga hiperativa. Em alguns casos, a necessidade é de tal forma repentina que é difícil chegar a tempo.

Celebra-se a 14 de março o dia da incontinência urinária e estima-se que, de todos os que sofrem desta patologia em Portugal, apenas 10% procurem ajuda. Se calhar porque a maioria não imagina que esta síndrome tem tratamento, sofrendo em silêncio e deixando que a bexiga lhe comande a vida. Não pode ser. Saiba que, apesar de ser mais comum do que se pensa, não se devem considerar normais os seus sintomas.

A Incontinência Urinária, uma das consequências da síndrome de Bexiga Hiperativa, traduz-se em perdas involuntárias de urina que podem acontecer em diversas situações: a tossir, rir, espirrar. Podem acontecer até a fazer exercício, a pegar em pesos. Podem estar também associadas a uma vontade súbita e urgente de ir à casa de banho. Às vezes não se chega a tempo. Há vários tipos de incontinência urinária. Mas é quase sempre uma aflição que, em casos graves, retira muita qualidade de vida a quem dela sofre.

A incontinência urinária é um enorme incómodo para milhares de portugueses, homens e mulheres, de todas as idades. Mas se as idas à casa de banho tomaram conta dos seus dias, saiba que provavelmente há solução para o seu problema. E que será simples de resolver. A maioria das vezes basta falar com um médico para controlar e tratar sintomas.

Algumas mudanças simples no estilo de vida, na alimentação, exercícios localizados, treinos da bexiga e, claro, se for necessário, recorrer à medicação certa, podem ser a solução. Basta consultar um médico, pode ser o Médico de Família, o Urologista ou o Ginecologista.

Estima-se que em Portugal cerca de 1 milhão e 700 mil pessoas sofram destas patologias. Apesar de haver indicações de que o tratamento tem taxas de sucesso que rondam os 90%, a maioria não procura ajuda médica. Sofre em silêncio por vergonha em falar do assunto ou por achar normal que aconteça, sobretudo com o avançar da idade. Apesar de serem patologias comuns não são normais e por isso é tão importante falar com o médico sobre sintomas de bexiga hiperativa e incontinência urinária… Que afetam tanto mulheres como homens!

No caso dos homens é importante saber que nem todos os sintomas urinários estão ligados a problemas na próstata. Na maioria das vezes não há razões para continuar a sofrer em silêncio, com medo de outros diagnósticos. As suas idas à casa de banho podem ser causadas simplesmente por uma bexiga hiperativa. Mas só vai saber se visitar o seu médico, por isso não se deve adiar essa consulta. Seja em homens ou mulheres, o que a maioria não sabe é que a ajuda médica é muito eficaz e os tratamentos relativamente simples.

Se for o seu caso, aproveite as suas idas regulares ao Médico de Família, Ginecologista ou Urologista para falar no assunto. Pense que rapidamente poderá recuperar a sua liberdade e a sua vida social, estar com a família e os amigos, trabalhar sem stress. Pode voltar a fazer tudo o que gostava. Não deixe a sua bexiga mandar em si.

Na Bexiga Mando Eu é uma campanha para ouvir, ver e acompanhar na Renascença, online e no ar, com apoio Astellas Farma, em parceria com a Associação Portuguesa de Urologia, a Associação Portuguesa de Neurourologia e Uroginecologia, e da Secção Portuguesa de Uroginecologia da Sociedade Portuguesa de Ginecologia.

Saiba mais em Na Bexiga Mando Eu

URO_2021_0035_PT, MAR21

Saiba também