Tempo
|

Vasco Graça Moura

"Já se atingiu o limite possível de espremer o pobre cidadão"

10 nov, 2012 • Maria João Costa

Social-democrata Vasco Graça Moura teme que a sociedade perca a esperança e lamenta que a Língua Portuguesa esteja a ser "alegremente assassinada".

Portugal atravessa um "período terrível" e "já se atingiu o limite possível de espremer o pobre cidadão", afirma Vasco Graça Moura à Renascença, em declarações ao programa "Ensaio Geral".

O social-democrata e actual presidente do conselho de administração Centro Cultural de Belém (CCB) defende que já só é possível cortar na despesa do Estado.

"Economizar no plano da despesa do Estado parece absolutamente fundamental, uma vez que já não se pode ganhar no plano da receita", diz.

"Já se atingiu o limite possível de espremer o pobre cidadão de todas as suas vitaminas, as suas possibilidades e, sobretudo, o que é pior, as suas esperanças. Uma sociedade sem esperança é uma sociedade completamente desmotivada", adverte. 

Língua Portuguesa está a ser "alegremente assassinada"
Vasco Graça Moura considera que a Língua Portuguesa é maltratada nas escolas portuguesas. O escritor, que está a assinalar 50 anos de carreira literária, culpa os encarregados de educação, mas também os responsáveis político-culturais pela forma como o Português é usado.

A Língua Portuguesa, lamenta, "tem o problema de ser alegremente assassinada em todas as instâncias, públicas ou privadas".

Vasco Graça Moura confessa ainda que continua a preferir o tradicional livro em papel, mas admite que a versão electrónica, se for bem usada, poderá levar as novas gerações a reencontrarem-se com a literatura.

Vasco Graça Moura foi o primeiro convidado do "Ensaio Geral" na Livraria Ferin, uma iniciativa na qual o público pode participar e que se repete a 7 de Dezembro, às 18h30. O convidado será o poeta e padre Tolentino Mendonça.

Vasco Graça Moura revela ainda que o Centro Cultural de Belém está a preparar programação dedicada ao fado. O presidente do CCB explica que a ideia passa, também, por oferecer espectáculos de fado aos turistas que visitam Portugal em Agosto.