Sporting

Jesualdo "entra como treinador", mas não quer cargo de Vercauteren

19 dez, 2012

Missão do novo homem-forte do Sporting não passa por assumir o comando técnico do belga, mas Jesualdo confessa que chega a Alvalade ainda com o "bichinho" da profissão que exerceu nos últimos 30 anos. "Dossier" Izmailov também abordado.

Jesualdo Ferreira impôs-se logo na primeira conferência de imprensa como novo "manager" do Sporting. Quando um dos jornalistas presentes abordou Godinho Lopes para recolher uma reacção sobre a acusação a Paulo Pereira Cristóvão, Jesualdo pegou no rumo da conversa.

O novo "manager", que foi apresentado esta quarta-feira, usou da palavra para questionar o porquê da mudança de tema, atitude à qual o jornalista retorquiu com uma outra pergunta. Na resposta, Jesualdo abordou a coabitação com Franky Vercauteren.

"Entrei no clube como treinador, mas, neste momento, a minha missão não é a de Vercauteren. Não se põe ninguém em causa e não preciso de me sentar no banco para ser exigente com toda a gente, inclusivamente com os jogadores. Continuarei a ser um treinador, com funções mais abrangentes. Vou dar apoio a muita gente nas equipas técnicas do Sporting."

Izmailov com porta aberta para sair
Instado a comentar outro dos temas da actualidade do Sporting, relacionado com a continuidade de Marat Izmailov, Jesualdo Ferreira colocou em cima da mesa todos os cenários.

Numa altura em que se especula que o baixo rendimento do russo pode levar à sua saída de Alvalade, o agora dirigente admitiu essa possibilidade.

"Izmailov é um excelente jogador, com uma grande qualidade. Já era. Por acaso não tive muita sorte com ele pessoalmente. A grande verdade é que ele está a acabar o contrato com o Sporting e poderá eventualmente haver interesse da parte do Izmailov e do Sporting em que o contrato não continue", afirmou.