Tempo
|

Deputada municipal alerta para instabilidade da colina de Santana

04 fev, 2014

Hospitais dos Capuchos, de São José, Santa Marta e Miguel Bombarda localizam-se nesta colina de Lisboa. Arquitecta Margarida Saavedra pede plano de salvaguarda.

A ex-vereadora social-democrata e actual deputada municipal de Lisboa, Margarida Saavedra, diz que nenhuma obra deve ser feita na colina de Santana, sem que antes seja desenvolvido um plano de salvaguarda daquela zona da cidade.

No âmbito da consulta pública que está em curso, a arquitecta Margarida Saavedra visitou esta terça-feira a colina onde estão localizados, por exemplo, os Hospitais dos Capuchos, de São José, Santa Marta e Miguel Bombarda.

A arquitecta diz que mais de 500 edifícios daquela zona estão em risco e que os deslizamentos de terras naquela colina são cada vez mais frequentes.

Citando dados da Câmara de Lisboa, Margarida Saavedra alerta que cerca de “29% dos edifícios desta colina, o que equivale a 550 edifícios”, estão em risco.

“Uns estão em maior grau outros em menor grau de risco, mas uma coisa é certa é necessário que a Câmara intervenha com um plano de salvaguarda para evitar que esta situação se venha a acelerar”, afirma a arquitecta Margarida Saavedra.

A ex-vereadora do PSD pede assim à Camara socialista que pense bem no que irá acontecer na colina de Santana, no dia em que se realiza a terceira de cinco sessões públicas dedicadas ao impacto urbanístico, social e habitacional das propostas relativas ao encerramento dos hospitais naquela zona da cidade.