Estivadores prolongam greve parcial até 7 de Janeiro

14 dez, 2012

Pré-aviso de greve recusa de qualquer serviço que tenha como origem ou destino o Porto de Leixões.
Estivadores prolongam greve parcial até 7 de Janeiro

O Sindicato dos Estivadores do Centro e Sul vai prolongar até 7 de Janeiro a greve parcial de algumas horas por turno que estava prevista até final do ano, segundo o pré-aviso.

Relativamente aos anteriores pré-avisos de greve, o actual distingue-se pela recusa de qualquer serviço que tenha como origem ou destino o Porto de Leixões.

Nos termos do documento, que respeita ao período entre 31 de Dezembro e 7 de Janeiro, os trabalhadores dos portos de Lisboa, Aveiro, Figueira da Foz, Setúbal e Sines "abster-se-ão de prestar quaisquer funções ou serviços que tenham por objecto a movimentação de cargas que, por via marítima, ferroviária ou rodoviária, provenham do porto de Leixões ou que se destinem a esse porto".

Na quarta-feira, o Porto de Lisboa revelou ter perdido 61% de contentores em Novembro face ao mesmo mês do ano passado. Em comunicado, a administração disse que esta quebra resulta exclusivamente da greve dos estivadores.

Os estivadores contestam a proposta de novo regime do trabalho portuário, que acusam de servir para precarizar as suas funções, pôr em risco os seus empregos e tornar os portos inseguros ao permitir que pessoas sem qualificações específicas possam trabalhar na estiva.

A nova lei sobre o regime jurídico do trabalho portuário está na origem destas sucessivas greves dos estivadores, que têm lugar desde 17 de Setembro nos portos de Lisboa, Setúbal, Aveiro e Figueira da Foz.

O Governo quer abrir o trabalho dentro dos portos a outros trabalhadores que não apenas os estivadores, diferenciando as várias tarefas e flexibilizando a contratação de pessoal. O acordo prevê também uma revisão do limite das horas extraordinárias e da sua remuneração, tal como do trabalho intermitente.

[notícia corrigida às 19h00]