Estados Unidos em Lisboa dão poder de negociação ao Governo

09 jan, 2014 • Sandra Afonso

Esta é a leitura de Francisco Veloso, director da Católica Lisbon, à passagem esta quarta-feira por Portugal de Jack Lew. Secretário do Tesouro americano diz que Estados Unidos estão disponíveis para ajudar Portugal a financiar-se a custos mais razoáveis.
Visita a Lisboa do secretário do Tesouro dos Estados Unidos dá mais poder negocial ao Governo na saída do resgate. Esta é a leitura de Francisco Veloso, director da Católica Lisbon, à passagem esta quarta-feira por Portugal de Jack Lew. Uma deslocação inserida numa visita relâmpago que começou em Paris, passou por Berlim e acabou em Lisboa.

Numa curtíssima declaração, o secretário do Tesouro fez questão de anunciar que os Estados Unidos estão disponíveis para ajudar Portugal a financiar-se a custos mais razoáveis.

Trocado por miúdos, os norte-americanos admitem voltar a comprar dívida nacional, mas esta ajuda que chega do lado de lá do oceano pode ir mais longe. Pode passar também por pressões junto da Alemanha para que comece a gastar mais dinheiro, na análise de Francisco Veloso.

O director da Católica Lisbon defende também que a inclusão de Portugal nesta visita, a meses de terminar o resgate, dá ao Governo de Passos Coelho poderes reforçados nas negociações do cenário pós-troika.

Interessa aos Estados Unidos garantir o crescimento da Europa, lembra Francisco Veloso, o que passa também pelo desfecho de mais um resgate de forma positiva, tal como aconteceu com a Irlanda.