|

Líder norte-coreano celebra aniversário com jogo com Dennis Rodman

08 jan, 2014

A Coreia do Norte exerce o culto da personalidade dos dirigentes e costuma festejar de forma vigorosa os aniversários dos líderes.

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, assinalou hoje os 31 anos de idade com um jogo de basquetebol entre o "amigo" Dennis Rodman e outras estrelas da NBA e os jogadores locais, noticiou o jornal NK News.

De acordo com o jornal desportivo, que cita um representante da agência de viagens oficial norte-coreana, a seleção da Coreia do Norte venceu os jogadores veteranos dos Estados Unidos, no jogo que decorreu por volta das 7h00 (16h00 em Pyongyang), na presença de Kim Jong-un.

O jogo foi o único acto relevante a marcar o dia de aniversário do líder norte-coreano que, tal como no ano passado, decorreu com discrição, já que nem sequer os meios de comunicação locais assinalaram a efeméride.

São escassas as imagens do jogo de basquetebol em que participaram os norte-americanos Dennis Rodman, Vin Baker e Cliff Robinson, que não foi anunciado pela televisão de Pyongyang, que não alterou a programação para a transmissão da partida.

Apesar do secretismo que marca a celebração do dia de aniversário, o jornal Daily NK revelou que um grupo de 30 empresários e autoridades da China foram convidados a assistir ao evento desportivo em que participaram os jogadores norte-americanos.

A Coreia do Norte exerce o culto da personalidade dos dirigentes e costuma festejar de forma vigorosa os aniversários do ditador Kim Jong-il, pai do actual dirigente, e do fundador Kim Il-sung, avô de Kim Jong-un.

Na verdade, não se sabe ao certo a idade do actual líder do país apesar de a maioria dos especialistas concordarem que cumpre, esta quarta-feira, 31 anos o que faz de Kim Jong-un um dos mais jovens chefes de Estado a nível mundial.

Este é o terceiro aniversário que o Presidente celebra como líder da Coreia do Norte desde que tomou posse em 2011, após a morte do pai.

Este ano, a celebração do aniversário decorre numa altura de mudanças políticas no país comunista já que no passado mês de dezembro, Jang Song-thaek, tio do Presidente e que era considerado número dois do regime, foi executado por ordem do próprio sobrinho. Pyongyang anunciou a execução no dia 13 de Dezembro, acusando Jang de traição ao chefe de Estado e ao Partido dos Trabalhadores, sendo que a purga do regime atingiu igualmente vários colaboradores do familiar do líder.