Tempo
|

De degradado a premiado. Mosteiro de Salzedas recebe distinção

20 jan, 2013 • Liliana Carona

Estava quase em ruínas, não tinha tectos e chovia lá dentro. Agora, o projecto de requalificação e restauro deste mosteiro localizado no concelho de Tarouca valeu uma menção honrosa atribuída pela Associação Portuguesa de Museologia.

De degradado a premiado. Mosteiro de Salzedas recebe distinção
De degradado passou a premiado. O Mosteiro de Santa Maria de Salzedas vai ser distinguido este domingo pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM) com uma menção honrosa, na categoria de Melhor Intervenção em Conservação e Restauro.

Ninguém esquece o jantar monástico servido no Mosteiro de Santa Maria de Salzedas, uma das muitas actividades ali realizadas, depois da requalificação de cerca de um milhão de euros, no âmbito do projecto Vale do Varosa, apoiado por fundos comunitários. A distinção agora recebida é o “reconhecimento do trabalho desenvolvido”.

E ninguém melhor do que o padre Seixeira, responsável do Mosteiro, para falar como era antes e ficou depois do restauro. “Estava numa degradação autêntica, chovia, não tinha solários, não tinha tecto, enfim, estava numa degradação e numa ruína autêntica”, conta o pároco.

“Em 2010, foi fechado o projecto e em 2011 começou-se a executá-lo e a fazer-se a requalificação do espaço para instalar a parte do núcleo museológico que temos ainda à nossa disposição no mosteiro”, acrescenta o padre Seixeira.

Mas a par das obras, sublinha ainda o padre, “foi também feito o restauro das peças, entre elas a telas de Bento Coelho, de Pascoal Parente, de Grão Vasco e outras peças de ourivesaria”.

Por isso, este domingo não vai servir só para a apresentação do prémio, mas também aproveitamos para mostrar os últimos livros que a paróquia adquiriu, uns comprando-os, outros por dádiva, outros por empréstimo, que pertenceram em tempos da Biblioteca de Salzedas”.