Tempo
|

Ensaio Geral

Quando a literatura encontra o fado

15 mai, 2015 • Maria João Costa

A escritora Maria do Rosário Pedreira escreveu, a fadista Aldina Duarte cantou, Pedro Gonçalves dos Dead Combo produziu o disco "Romances(s)"

Quando a literatura encontra o fado
"Não poderia escrever um disco assim para mais nenhum fadista" assegura Maria do Rosário Pedreira, a escritora e editora que é autora das letras de "Romance(s)", o novo disco de Aldina Duarte. Convidadas do programa "Ensaio Geral", da Renascença, gravado ao vivo na Livraria Ferin, numa parceria com a Booktailors, a fadista e a escritora explicaram o processo criativo no qual contaram também com o trabalho de produção de Pedro Gonçalves, músico dos portugueses Dead Combo.

O disco duplo nasceu do avesso. Foi a escritora que o quis fazer e desafiou a fadista a cantá-lo. No "Ensaio Geral", Maria do Rosário Pedreira explicou que o álbum "nasceu da vontade que tinha que a Aldina cantasse este disco" e acrescenta que não escreveu "no abstracto, escrevi-o para a Aldina". A autora, também poeta, relata que a amizade que têm "consolida-se também por outra razão que tem que ver com a literatura". Aldina Duarte "é uma grande leitora", indica Maria do Rosário Pedreira.

A fadista confirma e reconhece que essa paixão pelos livros lhe confere calma perante a vida. Aldina afirma "gosto desse ritmo da leitura para a vida, equilibra-me, torna-me mais feliz e é a única coisa que me acalma".

Numa conversa em torno do fado, Aldina Duarte explicou que "tinha decidido não gravar mais discos" porque considerava que "sozinha não tinha mais por onde evoluir". Mas não se guardou dentro da casa de fados perante o desafio da amiga Maria do Rosário Pedreira e avançou para o disco - que já está à venda - e conclui: "A Rosário tem o condão de escrever letras".

"Romance(s)", que no segundo disco produzido por Pedro Gonçalves dos Dead Combo, apresenta as mesmas letras escritas por Maria do Rosário Pedreira e as mesmas melodias escolhidas por Aldina Duarte, mas com uma roupagem diferente, é  "a nível de interpretação" o "maior desafio quer musical, quer poético" que Aldina enfrenta na sua carreira de vinte anos como fadista.

Na conversa, que foi moderada pela jornalista da Renascença Maria João Costa, a fadista e a escritora reflectem ainda sobre a presença da literatura no fado. É neste contexto que Aldina Duarte considera que através da música se pode cativar pessoas para a leitura.