Tempo
|

Lisboa. Ainda pode votar pela arte de São Cristóvão

03 nov, 2014 • Ângela Roque

Até ao dia 6 de Novembro, os lisboetas podem votar para que 75 mil euros do Orçamento Participativo sejam aplicados na recuperação da Igreja de São Cristóvão.

Lisboa. Ainda pode votar pela arte de São Cristóvão

O Orçamento Participativo de Lisboa ainda está em votações e, entre os muitos projectos propostos, inclui-se a recuperação da Igreja de São Cristóvão. A verba que a autarquia aceitou pôr a votação é de 75 mil euros, o que permitirá a “promoção da Igreja” para angariar fundos para as obras necessárias.

“Uma intervenção prioritária”
“É um monumento classificado de interesse público", disse à Renascença Edgar Clara, pároco de São Cristóvão, sublinhando que a importância do monumento decorre, em grande parte, das "34 telas de Bento Coelho da Silveira, em que uma se destaca, porque tapa todo o trono do altar-mor e que foi descoberta no Verão".

"Estamos a falar de um edifício de 1680, que sobreviveu ao terramoto. Conserva quase tudo da traça original, toda forrada a talha dourada”, acrescenta.

Tanto as pinturas de Bento Coelho da Silveira, de finais do século XVII, como os tectos de talha dourada encontram-se em estado de degradação e estão cada vez mais em risco, devido à água que entra dentro da Igreja.

“Na capela-mor temos um problema de infiltrações, estamos a tentar identificar por onde é que a água entra”, refere o pároco da Igreja de São Cristóvão, que se queixa dos “bons milhares de euros” gastos de cada vez que são necessárias obras.

Apesar do edifício ser considerado “de interesse público”, isso não garante intervenção do Estado. “Não creio que o Estado, como está actualmente, nos possa financiar no que quer que seja”, diz o padre Edgar Clara, reconhecendo, contudo, a disponibilidade do Estado para analisar pareceres técnicos e projectos com vista a angariar financiamento.

Votar para apoiar
Até ao dia 6 de Novembro, os cidadãos do concelho de Lisboa ainda podem votar para a concretização de uma parte do projecto de recuperação total da Igreja, no valor de 75 mil euros. “Temos a garantia de que a câmara municipal, com os seus técnicos, fará uma projecção nacional e internacional da própria Igreja de São Cristóvão”, diz Edgar Clara.

O pároco da Igreja de São Cristóvão renova, por isso, o apelo à participação dos lisboetas na votação: “É muito simples. Pegam no telemóvel, abrem uma mensagem, enviam para o 4310, e no assunto da mensagem têm de escrever 012. Se tiverem e-mail, também podem ir ao site do orçamento participativo e introduzi-lo. Cada pessoa pode, assim, fazer dois votos".

A grande expectativa do pároco, que, além de São Cristóvão, tem ainda a seu cargo 12 Igrejas, é que, promovendo a Igreja, isso permita angariar outros fundos, dentro e fora de Portugal. Sem apoio financeiro do Estado, as várias paróquias decidiram avançar com uma nova campanha de angariação de fundos, a campanha “Mil por dez”, em que se pede a cada pessoa um donativo de 10 euros. O objectivo é garantir uma “almofada financeira” que permita dar resposta às despesas de manutenção e pequenos arranjos que há sempre necessidade de fazer nestas igrejas.