Tempo
|

D. Januário elogia coragem de Bento XVI na defesa das vítimas de pedofilia

26 fev, 2013 • Domingos Pinto

Em entrevista à Renascença, o Bispo das Forças Armadas deixa uma mensagem à “troika”: "não foi o povo nem a gente humilde que delapidou os bens" do país.

D. Januário elogia coragem de Bento XVI na defesa das vítimas de pedofilia
D. Januário elogia coragem de Bento XVI na defesa das vítimas de pedofilia
Numa altura em que completa 75 anos, o Bispo das Forças Armadas já pediu a sua resignação e acredita que será o novo a Papa a anunciar o seu sucessor. Em entrevista à Renascença, D.Januário Torgal Ferreira destaca a coragem de Bento XVI na forma corajosa como enfrentou a pedofilia e o radicalismo islâmico, valorizando o diálogo entre a fé e a razão. O bispo das Forças Armadas pede que seja apurada a verdade no caso do alegado assédio sexual imputado a D.Carlos Azevedo.

D. Januário Torgal Ferreira elogia a coragem do Papa Bento XVI na forma como enfrentou o flagelo da pedofilia na Igreja e contribuiu para proteger as vítimas.

Em entrevista à Renascença, o Bispo das Forças Armadas reconhece que o Papa “apanhou tareia de muita gente” por causa do combate aos abusos sexuais, mas foi corajoso.

Bento XVI demonstrou “pureza de ânimo e defesa da doutrina. As vítimas, os pequeninos, nunca poderão ser desprotegidos”, sublinha o prelado.

D. Januário Torgal Ferreira elogia também o Papa, que resigna ao cargo esta quinta-feira, pelas suas posições contra o radicalismo islâmico e por valorizar o diálogo entre a fé e a razão.

Nesta entrevista à Renascença, D. Januário pede que seja apurada a verdade no caso do alegado assédio sexual imputado a D. Carlos Azevedo e considera que não se pode embarcar em “boatos”.

Numa altura em que o Governo prepara cortes no sector da Defesa, o Bispo das Forças Armadas pede ao Estado que respeite os direitos dos militares.

Mensagem à "troika"
O prelado aproveita para dizer à “troika”, que está em Portugal para mais uma avaliação do memorando de assistência, que “não foi o povo nem a gente humilde que delapidou os bens monetários” do país.

“Espero que esta dívida seja paga, com certeza com juros adequados, mas seja paga dentro de um prazo também perfeitamente adequado”, apela o Bispo, que gosta de ouvir o povo cantar a “Grândola, Vila Morena”.

“Os poetas, os cantores e os homens da arte foram sempre a frente luminosa das revoluções”, afirma.

O Bispo das Forças Armadas, que faz esta terça-feira 75 anos, já pediu a sua resignação e acredita que já será o novo a Papa a anunciar o seu sucessor.