Tempo
|

Acidente na Sertã

"Dor e ausência serão maiores quando passar a confusão"

29 jan, 2013

D. Antonino Dias presidiu às cerimónias fúnebres de várias das vítimas do acidente de autocarro que matou 11 pessoas na Sertã. Com a Sé Catedral de Portalegre completamente cheia e com muitos populares nas imediações, eram visíveis os sinais de dor.

"Dor e ausência serão maiores quando passar a confusão"

"A dor e o sentimento de ausência são grandes, mas serão ainda maiores quando passar a confusão", considera o bispo de Portalegre e Castelo Branco. D. Antonino Dias falou, esta terça-feira, da necessidade de manter a esperança e garantiu apoio aos familiares das vítimas do acidente com um autocarro que fez 11 vítimas mortais no IC8.

O bispo presidiu às cerimónias fúnebres de várias das vítimas do acidente, que eram na sua maioria de Portalegre.

D. Antonino Dias sublinha o momento de profunda emoção em Portalegre e, em declarações à Renascença, diz que este momento de dificuldade deve ser igualmente um tempo de esperança: “É sempre uma palavra de esperança neste momento, que ajude as pessoas a terem força para ultrapassar este momento, difícil para todos. Não são só as famílias, a cidade também se envolveu nesta manifestação de pesar e de solidariedade com as famílias. Foi uma palavra de esperança fundamentada na fé que temos como cristãos. Se Cristo ressuscitou também nós havemos de ressuscitar e é esta esperança que nos anima”.

O bispo de Portalegre sublinha ainda a garantia de proximidade da Igreja junto dos que mais sofrem neste momento. “A Igreja está sempre presente, os párocos são aqui muito dedicados às comunidades da cidade. Com certeza estarão muito atentos a tudo o que for preciso e esteja ao alcance deles. Da minha parte também. Não sei ainda avaliar o que será preciso, isso virá ao de cimo agora, porque esta gente que está a sentir isto sentirá muito mais a dor e a ausência quando acabar esta confusão toda”.

Com a Sé Catedral de Portalegre completamente cheia e com muitos populares nas imediações, eram visíveis os sinais de dor e luto entre as pessoas,
à medida que os corpos iam dando entrada no interior do templo.

Após a missa, no percurso entre a Sé Catedral e o cemitério daquela cidade alentejana, foram muitos os que fizeram uma pausa no trabalho ou
simplesmente colocaram-se à porta de casa para ver passar os funerais e prestar uma última homenagem.

O despiste de um autocarro, que transportava dezenas de pessoas para o Norte do país, aconteceu na Sertã. O acidente fez 11 vítimas mortais, 10 das quais eram residentes em Portalegre. Seis dos mortos eram casais.