Tempo
|

Cristãos portugueses e estrangeiros unem-se em oração no Algarve

22 jan, 2013

Na celebração, que vai ser presidida pelo bispo do Algarve, estarão presentes responsáveis católicos e greco-católicos, anglicanos, luteranos e ortodoxos.

Os fiéis portugueses e estrangeiros das igrejas cristãs existentes no Algarve, como os católicos, anglicanos, luteranos ou ortodoxos, vão unir-se na próxima sexta-feira em Faro para uma oração conjunta, informou hoje a Diocese do Algarve.

Apesar de acontecer por todo o país e noutros países cristãos, a cerimónia assume especial importância no Algarve, devido ao crescimento das comunidades inglesa e dos país do Leste da Europa, disse à hoje à agência Lusa o padre Miguel Neto, da Diocese do Algarve.

Na celebração, que vai ser presidida pelo bispo do Algarve, D. Manuel Neto
Quintas, estarão presentes responsáveis católicos e greco-católicos, anglicanos, luteranos e ortodoxos.

“Apesar de o bispo do Algarve presidir à celebração, todas as confissões cristãs presentes terão uma intervenção”, disse Miguel Neto, acrescentando que a cerimónia ocorre anualmente.

A celebração, marcada para as 18h30 de sexta-feira, na Sé de Faro, realiza-se ao abrigo da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, que visa apelar à união os cristãos “para implorarem esse dom do mesmo Deus em que todos acreditam”.

No Algarve existem celebrações regulares da Igreja Greco-católica (rito bizantino), destinadas à comunidade ucraniana, da Igreja Anglicana (comunidade britânica), Luterana, Igreja Ortodoxa Romena e Igreja Ortodoxa Russa (comunidade moldava).

As principais divisões entre as igrejas cristãs ocorreram no século V, com os Concílios de Éfeso e de Calcedónia (Igreja Copta, do Egipto, entre outras), no século XI, com a cisão entre o Ocidente e o Oriente (igrejas ortodoxas) e no século XVI, com a Reforma Protestante e, posteriormente, a separação entre o Estado inglês e a Igreja Católica.

Os luteranos (75 milhões), calvinistas/presbiterianos (80 milhões) e anglicanos (77 milhões) são as principais comunidades das chamadas igrejas tradicionais provenientes da Reforma, a que se juntam 60 milhões que se encontram ligadas ao metodismo.

A comunidade católica integra perto de 1.200 milhões de fiéis, sendo que a segunda igreja mais representativa, a ortodoxa, atinge os 250 milhões.