Tempo
|

Tribunal polaco defende manutenção de crucifixo no Parlamento

16 jan, 2013

Juiz criticou o partido anticlerical que pedia a remoção da cruz, acusando-o de falar muito de tolerância mas de não o praticar em relação aos símbolos religiosos.

Tribunal polaco defende manutenção de crucifixo no Parlamento
Um tribunal polaco rejeitou o pedido de um partido que pedia a remoção de um crucifixo que se encontra pendurado no Parlamento daquele país.

A objecção contra o símbolo religioso veio do partido Palikot, que é anticlerical e contesta a influência do Cristianismo na sociedade polaca. A Polónia é um país de tradição fortemente católica.

Na decisão o juiz alegou que o crucifixo não tinha sido objecto de queixas antes e que se podia concluir que era aceite por uma maioria de polacos, daí que não viola os seus direitos. O tribunal criticou ainda o Palikot, acusando-o de falar muito de tolerância mas de não demonstrar qualquer tolerância pelos símbolos e sentimentos religiosos da maioria da população.

O Palikot, que defende também a legalização da marijuana e o “casamento” entre homossexuais, já disse que vai recorrer e que está disposto a ir até ao Tribunal Europeu dos Direitos do Homem, se for necessário.

O crucifixo está no parlamento polaco desde 1997, altura em que lá foi colocado durante a noite por dois deputados conservadores.