Tempo
|

Jesus está no coração mesmo de quem não o conhece, diz D. José Policarpo

25 dez, 2012 • Filipe d’Avillez

“É grave, na nossa vida, fecharmo-nos à luz”, considera o Patriarca de Lisboa, na sua homilia do dia de Natal.  

Jesus está no coração mesmo de quem não o conhece, diz D. José Policarpo
Jesus está no coração mesmo de quem não o conhece, diz D. José Policarpo
D. José Policarpo dedicou a sua homilia do dia de Natal ao tema da missão e da Nova Evangelização. Para o Patriarca de Lisboa o encontro com Cristo representa, para o fiel, o envio a anunciá-lo. Recordando um excerto do Evangelho de São João, lido na missa de hoje, “A luz brilha nas trevas e as trevas não a receberam”, o Cardeal avisou “é grave, na nossa vida, fecharmo-nos à luz”.
D. José Policarpo dedicou a sua homilia do dia de Natal ao tema da missão e da Nova Evangelização.

Para o Patriarca de Lisboa o encontro com Cristo representa, para o fiel, o envio a anunciá-lo: “Quando cada cristão se encontra com Cristo, escuta a sua Palavra, e na fé experimenta já a alegria da liberdade, é imediatamente enviado, com urgência, a anunciar, a proclamar que Ele é o nosso libertador, que vale a pena segui-l’O, que é maravilhoso amá-l’O.”

Recordando um excerto do Evangelho de São João, lido na missa de hoje, “A luz brilha nas trevas e as trevas não a receberam”, o Cardeal avisou “é grave, na nossa vida, fecharmo-nos à luz.”

D. José não deixou de recordar que toda a humanidade carrega a marca de Cristo: “Mesmo os que não O conhecem têm no seu coração a sua marca”.

Mas essa realidade apenas torna mais urgente a responsabilidade de quem já conheceu e acredita em Cristo: “Nós, os crentes, temos de tomar a sério estas palavras e ao fazê-lo enfrentamos o drama chocante da humanidade: Ele continua a vir para o que é Seu, e os seus não O recebem, Ele quer inundar de luz, de paz, de esperança e de alegria os corações sofridos e atribulados, mas há tantos que recusam a luz. Neste Ano da Fé assumamos que Ele espera que nós os crentes sejamos portadores da luz, anunciadores da esperança e da alegria.”

“Estejamos atentos às buscas, às inquietações das pessoas que nos rodeiam, pois como afirma o Papa Bento XVI ‘não podemos esquecer que, no nosso contexto cultural, há muitas pessoas que, embora reconhecendo em si mesmas o dom da fé, todavia vivem uma busca sincera do sentido último e da verdade definitiva da sua existência e do mundo. Esta busca é um verdadeiro preâmbulo da fé’. Talvez que, para que isso aconteça, baste o nosso testemunho de fé.”

“Um dos desafios da nova evangelização é o de encontrar novos caminhos para o anúncio da fé cristã neste tempo, que é o nosso”, concluiu o Patriarca, na sua homilia de hoje.