Tempo
|

Património artístico da diocese de Évora em livro

21 nov, 2012 • Rosário Silva

É publicada amanhã a décima edição do Inventário Artístico da Arquidiocese de Évora, um projecto da igreja local que lista tesouros de grande valor.  

Mais uma obra publicada no âmbito do Inventário Artístico da Arquidiocese de Évora

É apresentado na quinta-feira o livro “Arte Sacra do Concelho de Reguengos de Monsaraz” na Igreja da localidade de Caridade (Reguengos), no âmbito do projecto que foi iniciado em 2002 pela Fundação Eugénio de Almeida. Esta é a décima edição a ser publicada.

“Arte Sacra no Concelho de Reguengos de Monsaraz” apresenta 30 peças que resultam do levantamento, estudo e catalogação do património artístico disperso por igrejas, capelas, seminários e instituições religiosas do concelho de Reguengos de Monsaraz, sintetiza o coordenador da equipa responsável pelo Inventário Artístico da Arquidiocese de Évora, Artur Goulard.

“Há uma zona de Reguengos onde na verdade, pelas suas circunstâncias históricas, as obras são em qualidade mais evidente, que é sobretudo a Igreja de Nossa Senhora da Lagoa, em Monsaraz. As peças são muito boas e estão de acordo com tudo o que nós temos encontrado, inclusivamente algumas surpresas, quer no campo da joalharia, quer no campo da escultura”, explica.

Uma caixa de hóstias em cobre esmaltado, de origem chinesa, do século XVIII, é um dos exemplares raros que podem ser apreciados. Mas há mais: “Há um também de origem indo-portuguesa, um cofre relicário, igualmente raro, como há, sobretudo, uma jóia que foi oferecida a Nossa Senhora, do século XVII, e que é uma peça de grande qualidade, que inclui um camafeu romano que foi aproveitado e que é, inclusivamente, obra de um ourives eborense.”

Até agora já foram publicados os livros que resultam da inventariação nos concelhos de “Arraiolos”, “Viana do Alentejo”, “Estremoz”, “Norte Alentejano”, “Elvas, Monforte e Sousel”, “Portel”, “Vila Viçosa”, “Montemor-o-Novo” e “Alcácer do Sal”.