Tempo
|

100 anos de vida, 75 anos de padre

08 jul, 2012

Num dia histórico para a diocese do Porto, oito novos padres são ordenados hoje e um sacerdote completa 100 anos de vida.

O padre Joaquim Pereira da Cunha completa hoje 100 anos.

O sacerdote da diocese do Porto foi pároco do Tabuado durante mais de 71 anos, tendo-se reformado apenas aos 97 anos. Desde então vive na casa sacerdotal, mas recorda-se bem dos seus tempos de pároco: “O meu tempo na paróquia foi a trabalhar!”, afirma, entre risos.

O padre centenário queixa-se de ter de andar de cadeira de rodas, mas garante que a mente está em condições. “Estou muito bem de cabeça. É isso que tenho pedido ao Senhor, que me conserve assim até ao fim”.

Entre os rituais do padre Joaquim mantém-se a celebração diária da missa: “O dia-a-dia é levantar-me às 8h00, celebrar missa à capela às 12h15 com um colega, e deitar às 22h30”.

Dentro de precisamente um mês, o padre Joaquim celebra ainda outra data significativa, nomeadamente os 75 anos da sua ordenação. Ao longo desses três quartos de século, considera, a tarefa dos padres tornou-se mais complicada. “Tanto que acho que há muito poucos. Há padres com cinco freguesias, aqui na diocese. Deus Nosso Senhor tem de se lembrar de nós”.

Trata-se por isso de um dia histórico para a diocese do Porto. No mesmo dia em que festeja o seu sacerdote mais antigo, junta-se ao clero um grupo de seis novos padres diocesanos, que são ordenados hoje.

Ao todo serão ordenados oito novos padres no Porto esta tarde, mas dois pertencem a congregações religiosas, nomeadamente aos beneditinos e aos dehonianos.

Aqueles que hoje vão ser ordenados têm muitas dificuldades pela frente. Uma delas, esclarece o padre Joaquim, é “aturar o povo”.

“O mais difícil é, muitas vezes, aturar o povo, que nem sempre compreende estas coisas.
Uns dizem que a Igreja tem de ser assim, outras vezes assado, eu não os entendo. Entendia-me muito bem com os meus, durante os anos que estive a paroquiar.”

Aos 100 anos, o padre Joaquim Pereira da Cunha é o segundo padre mais velho do país, seguindo-se ao Cónego José Amaro, de Lisboa, que em Agosto completa 101 anos.