Tempo
|

Quarenta mil cristãos em campos de trabalho forçado na Coreia do Norte

19 jun, 2012

Cristãos formam cerca de 20% da população dos campos, segundo um ex-membro do partido comunista local, que se converteu e desertou.

Quarenta mil cristãos em campos de trabalho forçado na Coreia do Norte
Haverá na Coreia do Norte cerca de 40 mil pessoas em campos de trabalho forçado, cujo único crime é serem cristãos.

Os dados são fornecidos por Jo Chung-Hee, ex-membro do partido comunista da Coreia do Norte, que se converteu ao Cristianismo e conseguiu fugir do país. Chung-Hee é citado pela agência AsiaNews.

Segundo Chung-Hee a Coreia do Norte opera pelo menos seis campos de trabalho, os maiores dos quais têm uma população de 50 mil reclusos. Ao todo cerca de 200 mil pessoas vivem os campos, 20% dos quais estão detidos por serem cristãos.

Ainda assim este número está bastante abaixo dos 900 mil registados em 2008. A diminuição dever-se-á sobretudo a mortes de reclusos devido ao esforço, falta de cuidados de saúde e fome generalizada que têm afectado o país.