Tempo
|

Igreja no Brasil chama atenção para o sofrimento dos índios

18 jun, 2012 • Domingos Pinto

Por ano são assassinados cerca de 50 índios. Dez vezes mais tiram a própria vida.  

Igreja no Brasil chama atenção para o sofrimento dos índios
Na véspera da cimeira do Rio+20 a Igreja Católica brasileira denuncia o aumento da violência contra os povos indígenas e a ocupação forçada das suas terras.

Em média são assassinados 50 índios por ano, meio milhar desde 2003 números do relatório do Conselho Indigenista Missionário agora divulgado que aponta ainda para pouco mais de 500 suicídios de índios no Mato Grosso do Sul desde o ano 2000.

Só no ano passado houve 42 casos de invasão de terras e exploração ilegal dos recursos naturais nas regiões demarcadas dos índios.

Números dramáticos, explicados pela impunidade com que a justiça brasileira trata estes casos. As minorias não contam para nada, diz quem conhece o terreno. O padre Mário Campos, missionário da Consolata, que trabalha na terra indígena da “Raposa Serra do Sol” no estado brasileiro de Roraima, explica: “A grande maioria desses assassinatos fica impune. Isso passa uma mensagem para a sociedade não índia, pode-se matar índios sem problema, não se vai preso por isso. O poder político não tem qualquer interesse em garantir o direito dos índios à terra, nenhum”, enfatiza.

Desde que tomou posse, a presidente Dilma Roussef apenas devolveu três terras aos índios, em 2011, o que não surpreende este missionário português: “A aposta é de um desenvolvimento virado para o dinheiro, para os lucros. Ela ficou muito aquém das expectativas que o povo tinha, a educação não está a evoluir, não há nenhuma aposta na melhoria da saúde”.

A Igreja Católica espera agora que a cimeira do Rio possa despertar uma nova consciência social para os direitos dos povos indígenas.