Tempo
|

Quase 20 mortos em violência inter-religiosa no Myanmar

12 jun, 2012

Budistas e muçulmanos incendiaram casas e atacaram-se uns aos outros. As autoridades estão a tentar pacificar a situação.

Quase 20 mortos em violência inter-religiosa no Myanmar
As autoridades do Myanmar estão a tentar conter a violência que atingiu a região de Sittwe nos últimos dias.

Tudo terá começado quando uma mulher budista, de etnia rakhine, alegadamente por um grupo de homens muçulmanos de etnia rohingya. Em resposta os budistas atacaram comunidades muçulmanas, matando cerca de dez pessoas.

A violência alastrou e só durante o dia de ontem terão morrido mais oito pessoas.


Budistas e muçulmanos vivem lado a lado nesta zona do Myanmar, um país com uma esmagadora maioria de budistas. Os rohingya vivem em condições deploráveis junto à fronteira com o Bangladesh uma vez que o Estado não os reconhece como uma etnia indígena mas antes como cidadãos do Bangladesh refugiados. Contudo, o Bangladesh também não reconhece os Rohingya e não permite que eles entrem no país.

Entretanto dezenas de monges budistas protestaram contra a violência levada a cabo por muçulmanos, concentrando-se na cidade de Yangon, diante de um templo.

Ontem à noite a União Europeia elogiou a forma como o Estado tem lidado com a violência, colocando soldados e polícia no terreno para proteger as aldeias, mas evitando contribuir para a escalada da situação.

Estes são os incidentes mais graves a registar no Myanmar desde que o regime se começou a abrir para o resto do mundo, permitindo a realização e eleições, no ano passado.