Tempo
|

Lisboa

Milhares acompanharam procissão do Corpo de Deus

07 jun, 2012 • Dora Pires

A mais tradicional das procissões de Lisboa realizou-se pela última vez a um feriado, pelo menos nos próximos cinco anos.

Milhares acompanharam procissão do Corpo de Deus

Muitos milhares de fiéis acompanharam esta quinta-feira a procissão do Corpo de Deus em Lisboa, com início e fim na Sé Catedral.

Presidida pelo Cardeal Patriarca, D. José Policarpo, a celebração atraiu uma verdadeira multidão de perder de vista, que marcou presença em todo o percurso por algumas das principais artérias da baixa da cidade.

Em vésperas de santos populares, pelo menos por uma hora, o característico cheiro a sardinha foi abafado pelo incenso.

O cortejo, feito de vários grupos, mudava de cor e de trajes à medida que se sucediam as ordens religiosas e as irmandades.

À passagem do Santíssimo Sacramento, nas mãos do Cardeal Patriarca de Lisboa, muita gente ajoelhava na calçada. Um longo e intenso testemunho de fé como é suposto ser a procissão mais antiga de Lisboa.

“Belíssima caminhada com o Senhor pelas ruas da nossa cidade. Eu acho que a eucaristia é o cumprimento mais belo que Jesus encontrou para a Sua grande promessa. A Sua grande promessa é: ‘Eu ficarei convosco até ao fim. Onde vós estiverdes reunidos, eu estarei convosco’”, disse D. José Policarpo.

O Patriarca dava o mote a quem pensava, a propósito, que o mais importante não é o dia em que se faz a festa, mas a festa em si.

“Venho ao domingo. Não é bom, depois de tantos anos à quinta-feira, ser tirado o feriado do dia do Corpo de Deus, mas pronto”, disse à reportagem da Renascença uma participante nesta procissão, que nos próximos anos será ao domingo.

A partir de 2013, o feriado do Corpo de Deus à quinta-feira deixa de existir, pelo menos até 2017, e a celebração religiosa passa a ser celebrada no domingo seguinte.
 
O Corpo de Deus era até hoje um feriado nacional religioso, móvel, que se celebrava na segunda quinta-feira a seguir ao Domingo de Pentecostes, 60 dias após a Páscoa.