Tempo
|

Despedir para obter mais lucro é pecado, avisa missionário

28 mai, 2012 • Domingos Pinto

Exemplo começa em casa, missionários da Consolata têm 80 a 90 funcionários e não despedem ninguém, apesar da crise.  

Missionários da Consolata pedem mais consciência social aos empresários para não haver mais despedimentos no país.

O recado é do provincial desta congregação religiosa que realizou em Fátima o seu capítulo.

O padre António Fernandes critica o lucro pelo lucro e deixa um aviso: despedir é pecado e uma grande falta de solidariedade: “Aos empresários para não despedirem e não tentarem o lucro pelo lucro, é preciso ter consciência social e pensar na pessoa humana. Despedir hoje é uma grande falta de solidariedade e, se despeço para ter mais lucro, estou a cometer um grande pecado”.

É preciso estimular a economia, incentivar o microcrédito, diz o padre António Fernandes que defende a manutenção dos postos de trabalho, como acontece na sua própria congregação, apesar da crise: “Actualmente temos quase 80 ou 90 pessoas a quem damos emprego. Isto começa em casa, fazemos um esforço enorme para manter as pessoas, apesar da crise. É preciso organizar, dar condições ao microcrédito, pequenas cooperativas. Queremos ajudar as pessoas que ficam sem emprego”.

Desafios dos missionários da Consolata que prometem estar mais próximos dos jovens, dos sem-abrigo e dos desempregados.