Tempo
|

Ceder lugares santos de Jerusalém seria um erro fatal, diz Netanyahu

22 mai, 2012

Harmonia inter-religiosa no Monte do Templo deve-se ao controlo israelita, garante primeiro-ministro.

Ceder lugares santos de Jerusalém seria um erro fatal, diz Netanyahu
Israel não tenciona ceder o controlo dos lugares santos de Jerusalém, garantiu ontem o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

Netanyahu referia-se especificamente ao Monte do Templo, onde existiram os dois templos judaicos e se encontram também duas das mesquitas mais importantes para o Islão.

Toda a cidade de Jerusalém é controlada actualmente por Israel, mas os palestinianos pretendem que a parte oriental da cidade seja a capital de um futuro Estado independente. Este tem sido um dos principais entraves às negociações de paz.

Num discurso no parlamento israelita, Netanyahu referiu-se ao espaço onde agora se encontra o Muro das Lamentações – tudo o que resta do segundo templo – como o coração da cidade.

“A quem propõe que retiremos o coração de Jerusalém, o Monte do Templo, e o larguemos da mão porque isto traria a paz, eu lhes digo que não é apenas um erro, é um erro fatal”, disse o primeiro-ministro.

Netanyahu referiu-se à harmonia inter-religiosa que se vive no local entre judeus, muçulmanos e cristãos e disse que isto só é possível porque o espaço é controlado por Israel. “O Monte do Templo está nas nossas mãos e vai permanecer nas nossas mãos”, assegurou.