Tempo
|

Jovens fazem grafiti na igreja e o padre agradece

30 abr, 2012

"A Igreja procurou sempre estar na linha da frente para expressar a sua mensagem e não pode deixar de usar estas possibilidades, que aproximam muitos jovens”, diz o pároco de Santa Eulália de Provençana, na Catalunha.

Jovens fazem grafiti na igreja e o padre agradece
Em todo o mundo, os padres deparam com o problema de grafitis nas paredes das suas igrejas, mas o caso de Santa Eulália de Provençana, na Catalunha, tem duas grandes diferenças.

Primeiro, porque ali os “sprays” não foram usados no exterior do edifício, mas sim no interior, e ainda por cima na abóboda. Segundo, porque os jovens responsáveis pelas imagens estavam lá a convite do pároco.

O padre Ramon Mor estava à procura de uma forma prática e, nestes tempos, barata, de dar outra cor à abóboda, que lhe parecia “solene”, mas austera. Numa busca online, deu pelo trabalho do grafiteiro Rudi e, convencido, contactou-o para vir trabalhar na sua igreja, construída em 1957.

Segundo a imprensa espanhola, o artista de rua ficou admirado pelo convite, mas aceitou-o, e, para alegria da comunidade, recusou qualquer pagamento. Rudi até convocou um colega madrileno, conhecido por "House", para o ajudar.

O resultado encantou tanto o sacerdote como a comunidade do bairro operário que a Igreja serve. Rudi e House tiveram todos os cuidados e estudaram cuidadosamente o estilo românico catalão. “Tivemos de analisar as expressões, os olhares. Basta uma linha para passar de um estilo para outro”, contouo artista.

Rudi recusa, todavia, considerar que se trata de um grafiti: “O grafiti é um estilo e isto é um mural feito com aerossóis que fizemos, mas não tem nada de grafiti”.

Seja o que for, os colegas do padre Ramon Mor também ficaram convencidos e Rudi tem recebido vários contactos para outros trabalhos do género.