Tempo
|

Filme sobre rebeldes católicos estreia hoje em Roma

20 mar, 2012 • Filipe d’Avillez com SNPC

Dentro de três dias Bento XVI estará no México, onde há menos de cem anos decorreu um levantamento católico contra o regime anti-clerical.  

O filme “Cristiada”, baseado no conflito mexicano dos Cristeros, ocorrido entre 1926 e 1929, vai ter esta terça-feira antestreia mundial perto do Vaticano, três dias antes de Bento XVI partir para o México e Cuba.

O actor Andy Garcia, nascido em Cuba, a actriz Eva Longoria, descendente de mexicanos, e o veterano Peter O’Toole são alguns dos protagonistas do filme que é apresentado numa exibição privada marcada para o Instituto Patrístico Augustinianum, perto da Praça de S. Pedro, em Roma, revela a agência H2O news.

A narrativa evoca as questões de consciência colocadas pelos católicos mexicanos sobre o recurso às armas para depor o presidente Plutarco Elías Calles, que pretendeu impor a secularização.

A obra “segue as histórias de pessoas comuns que escolheram lutar pela sua liberdade. Envolvidos em plena guerra civil todos têm de decidir até onde querem ir e até onde estão dispostos a arriscar”, refere a sinopse publicada no site oficial do filme.

O cardeal português José Saraiva Martins, antigo prefeito da Congregação para as Causas dos Santos, beatificou 13 mártires mexicanos, três padres e 10 leigos, um deles com 14 anos, pertencentes ao Movimento Cristeros.

A celebração realizou-se a 20 de Novembro de 2005, dia de Cristo Rei, em memória das palavras “Viva Cristo Rei!”, grito de guerra dos cristeros e de tantos mártires católicos tanto no México como durante a guerra civil de Espanha e ainda em Cuba, quando começou o regime comunista.

Os cristeros acabaram por ser derrotados, mas só depois de os bispos mexicanos os terem ordenado a baixar as armas. Laura O'Dogherty Madrazo, da Universidade Autónoma do México, a acção da hierarquia pode ser entendida como uma traição a todos os que lutavam pela liberdade religiosa.

“A Igreja hierárquica nunca aprovou o levantamento armado, salvo algumas excepções isoladas, a partir do momento em que começa o levantamento alguns bispos procuram intervir, juntamente com Roma, para alcançar a paz”, explica.

“As negociações culminam em 1929 com um acordo que não anula as leis anti-clericais mas subentende uma aplicação mais lata das mesmas. Os cristeros não estão de acordo, mas a partir do momento em que volta a haver o culto, em que as Igrejas reabrem ao culto, os cristeros depõem as armas. Em meu entender os cristeros perderam. Perderam, não por terem sido derrotados pelas armas, mas porque foram traídos pela hierarquia da Igreja”, conclui.

O filme tem realização de Dean Wright, autor dos efeitos especiais de “Titanic”, “O Senhor dos Anéis” e “Crónicas de Nárnia” e chega às salas de cinema do México a 20 de Abril e aos EUA no dia 1 de Junho.