Tempo
|

Obama pede perdão por queima do Alcorão

23 fev, 2012

Presidente americano disse que o acto foi inadvertido, mas aludiu a uma eventual punição dos responsáveis.

Obama pede perdão por queima do Alcorão
A polémica da queima de exemplares do Alcorão por elementos da NATO, no Afeganistão, já conduziu à intervenção do presidente americano Barack Obama.

Numa carta pessoal enviada ao seu congénere afegão, Hamid Karzai, Obama exprime o seu “mais sincero arrependimento” pelo incidente que, alegam os responsáveis da NATO, ocorreu de forma absolutamente acidental.

Obama promete que serão tomadas medidas, incluindo a eventual punição dos responsáveis.

Em Kandahar, onde o caso ocorreu, milhares de civis afegãos mantiveram os seus protestos contra a América por causa de mais este insulto à sua religião. Protestos que já causaram pelo menos seis mortos e 55 feridos, segundo a imprensa local.

Com alguns deputados afegãos a apelar às armas contra os americanos, apesar de Karzai ter pedido que se evitasse a violência, teme-se que a situação piore na sexta-feira, dia santo para os muçulmanos quando muitos frequentam a mesquita, com alguns clérigos a incitar ao ódio.

Segundo os relatos os exemplares do Alcorão estariam entre outros livros que foram levados para incinerar por elementos da NATO. Ao reconhecer os livros sagrados alguns funcionários afegãos conseguiram interromper a operação, mas alguns livros foram mesmo queimados e outros danificados e quando a notícia se espalhou não demorou para que começassem os protestos.