Tempo
|

Patriarca explica sentido do martírio cristão

22 jan, 2012 • Eunice Lourenço

"O mártir cristão é vítima da violência injusta dos poderes deste mundo contra os cristãos", afirma D. José Policarpo.

Patriarca explica sentido do martírio cristão

Os mártires cristãos são vítimas da violência injusta e denunciar os perseguidores é uma “batalha de civilização”, disse hoje o Cardeal Patriarca de Lisboa.

Numa altura em que volta a haver notícias de mortes de cristãos na Nigéria, D. José Policarpo explicou o sentido do martírio cristão, na homília da Solenidade de S. Vicente, padroeiro principal do Patriarcado de Lisboa.

“Sempre existiram mártires, porque sempre existiram perseguidores. Um livro recentemente publicado, intitulado 'Os mártires do século XX', dá-nos dessa realidade um panorama impressionante. E mesmo hoje, nos últimos dias, os noticiários estão cheios de notícias de mártires cristãos e de perseguidores. O sentido místico do martírio não deve impedir todas as forças que lutam pela dignidade do homem de denunciar e isolar os perseguidores. É uma batalha de civilização”, afirmou D. José Policarpo na missa desta tarde na Sé de Lisboa, depois de assumir que perante o martírio a mística cristã vive “uma espécie de paradoxo” porque “a Igreja, por um lado, procura mitigar o sofrimento humano e, por outro, dá-lhe um sentido sublime e transcendente”.

Logo no início da homília, o Patriarca de Lisboa estabeleceu a singularidade do martírio cristão.

“Ao longo dos séculos sempre houve homens e mulheres que aceitaram sacrificar a vida por uma causa nobre. No nosso tempo há muitos que decidem da sua própria morte por motivos que consideram nobres; é o caso dos auto-proclamados mártires muçulmanos ou de monges budistas que se imolam. O mártir cristão não decide da sua própria morte; sofre-a por fidelidade. Para ele, a vida neste mundo não parece mais importante que a sua fé, a sua fidelidade a Jesus Cristo. O mártir cristão é vítima da violência injusta dos poderes deste mundo contra os cristãos”, afirmou D. José Policarpo.

O Cardeal Patriarca de Lisboa acrescentou que “a fonte do sentido do martírio cristão é Cristo e a identificação da igreja com Cristo, em tudo, sobretudo, na sua paixão redentora”. Assim, continuou, “o martírio cristão é o seguimento de Cristo até às últimas consequências”.