Tempo
|

Vaticano aprova estatutos e liturgia do Caminho Neocatecumenal

20 jan, 2012

Celebração litúrgica particular também foi aprovada. Em Portugal o movimento tem cerca de 300 comunidades.

Vaticano aprova estatutos e liturgia do Caminho Neocatecumenal

O Conselho Pontifício para os Leigos aprovou, hoje, definitivamente, os estatutos do Caminho Neoctatecumenal, um movimento católico criado em 1964 pelo artista Kiko Arguello e a ex-freira Carmen Hernandez, ambos espanhóis.

Com parecer positivo da Congregação para a Doutrina da Fé e da Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos, o Caminho Neocatecumenal não vê aprovados apenas os estatutos, mas também as catequeses e a liturgia.

A questão da liturgia, em particular, estava envolta em polémica. Além de celebrar as suas eucaristias semanais à porta fechada, as missas dos neocatecumenais contêm muitas variações em relação ao rito romano. Os fiéis recebem a comunhão sentados nos seus lugares e sempre sob a forma do pão e do vinho. O altar é, normalmente, colocado no centro da Igreja, com a congregação sentada à volta e há outras alterações feitas à ordem normal da celebração, como, por exemplo, o abraço da paz, que tem lugar antes da consagração.

“Temos visto a força destas celebrações. Pois estas celebrações – tal como Deus nos inspirou a construí-las ao longo de todo este percurso – hoje, após 40 anos, são aprovadas pela Santa Igreja”, regozijou-se, hoje, em Roma, Kiko Arguello, na cerimónia em que foi lido o decreto de aprovação.

Os neocatecumenais recuperaram, ainda, a tradição de baptismo por imersão completa, mesmo com crianças. O movimento é conhecido pelo zelo das suas expressões de fé e a vivacidade dos seus encontros, mas nem sempre tem sido bem recebido nas várias partes do mundo em que está instalado. Todavia, desde a sua criação, o Caminho Neocatecumenal tem merecido sempre o apoio dos sucessivos Papas, culminando com esta aprovação dos seus estatutos que hoje se consumou.

Estruturalmente, o Caminho Neocatecumenal é composto por comunidades autónomas. Cada comunidade é composta por cerca de 20 a 50 pessoas e estima-se que existam no mundo cerca de 41 mil comunidades. Em Portugal, o número é cerca de 300.

Além destes grupo,s o movimento tem também seminários onde forma os seus próprios sacerdotes. Em Portugal, existem dois: um em Lisboa e outro no Porto.