Tempo
|

Oscar Niemeyer desenha a nova catedral de Belo Horizonte

18 jan, 2012 • SNPC

Arquitecto, de 104 anos, já desenhou também a catedral de Brasília, apesar de ser não crente e comunista.

Oscar Niemeyer desenha a nova catedral de Belo Horizonte
O arquitecto Oscar Niemeyer, que tem, actualmente, 104 anos, é o autor do projecto da nova catedral de Belo Horizonte, capital do estado brasileiro de Minas Gerais, no centro-leste do país.

A primeira pedra da Sé dedicada a Cristo Rei foi lançada a 19 de Novembro, dia em que chegou à capital mineira a cruz da Jornadas Mundiais de Juventude, que o Brasil vai organizar em 2013. No local, foi levantada a cruz exterior da catedral, com 20 metros de altura, doada por duas empresas.

A catedral, com capacidade para cinco mil lugares sentados, pode receber até 20 mil pessoas.

O espaço “será um grande centro de espiritualidade, com força de congregação de pessoas, de irradiação de ideias e princípios básicos para o sustento da vida cidadã”, afirmou o arcebispo de Belo Horizonte, D. Walmor Azevedo, em entrevista à rede de televisão Canção Nova.

O prelado que o Papa Bento XVI nomeou, em 2009, membro da Congregação para a Doutrina da Fé sublinhou que a catedral “também garantirá uma contribuição, em programas e projectos dedicados ao serviço social, ao cuidado com os pobres, desenvolvimento da arte, da cultura e da educação.”

A ligação de Oscar Niemeyer a Belo Horizonte remonta aos anos 40 do século XX, quando conheceu o presidente da câmara municipal, Juscelino Kubitschek, que o convidou a traçar um conjunto de edificações para a zona denominada Pampulha.

Entre os projectos concluídos em 1943, incluía-se a igreja São Francisco de Assis, que só viria a ser dedicada no fim da década de 50, depois de anos de recusa por parte da hierarquia católica.

Quando Kubitschek foi eleito presidente do Brasil, em 1956, decidiu instalar a capital numa região despovoada no centro do país. Voltou a chamar Niemeyer, que desenhou a catedral e os principais edifícios do poder político em Brasília, como a residência do presidente, sede do Governo, e edifício do Congresso Nacional.

Comunista assumido, a sua posição de não crença em Deus foi definida “desde muito cedo”, apesar das suas origens familiares católicas, disse em entrevista.