Tempo
|

Cursilhos completam 50 anos de presença em Évora

11 jan, 2012 • Rosário Silva

Movimento chegou a Portugal em 1960 pela mão do então Cardeal Cerejeira e não tem parado de crescer.

O Movimento dos Cursos de Cristandade na Arquidiocese de Évora comemora 50 anos “aos pés” de Nossa senhora da Conceição, em Vila Viçosa. O primeiro curso realizou-se na diocese em 1962 e, de então para cá, o Movimento continua a crescer.

É dos movimentos da Igreja católica com maior expressão na Arquidiocese de Évora, onde está presente há exactamente 50 anos.

O Movimento dos Cursos de Cristandade nasceu pela iniciativa de Eduardo Bonnín em 1949, em Palma da Maiorca, na vizinha Espanha e a pouco e pouco, estendeu-se pelo mundo. Hoje conta com mais de 11 milhões de participantes e em mais de 40 línguas.

De que forma chegou a Portugal nos anos 60, é o que nos conta o Cónego Francisco Senra Coelho, assistente diocesano do Movimento na Arquidiocese de Évora.

“O senhor Patriarca D. Manuel Cerejeira ouviu falar dos cursos e enviou um grupo de sacerdotes, incluindo o então padre António Ribeiro, à cidade de Vitória para fazer o Curso de Cristandade”, explica o sacerdote.

“O padre António Ribeiro, que mais tarde veio a ser Patriarca de Lisboa, era um homem em quem o Cardeal Cerejeira confiava muito e quando voltou perguntou-lhe se não era uma tontaria, um folclore, mas ele respondeu que não, que era algo muito sério e que fazia muita falta em Portugal. Em 1960 em Fátima fez-se então o primeiro curso em Portugal”, conclui.

Na diocese o primeiro curso realizou-se em Janeiro de 1962, e desde então o Movimento cursista não tem parado de crescer.

Mas afinal o que é um Curso de Cristandade: “Uma experiência vivencial muito compacta, a partir do fundamental cristão, daquilo que é mesmo essencial, onde descobrimos a beleza da mensagem de Cristo, o amor de Deus, e descobrimo-nos nessa mensagem exactamente como uma missão a cumprir na vida. Ao descobrir a nossa identidade descobrimos também o nosso lugar. É essencialmente este encontro profundo com Jesus Cristo e com a sua mensagem, através daqueles que o conhecem, que o amam e que o proclamam”.

David Rodrigues fez esta experiência que mudou a sua vida. Hoje é o presidente do Secretariado diocesano: “Este bem-estar que sentimos por trazermos Cristo para dentro da nossa casa, extravasa-se nas nossas acções, maneiras de estar, gestos. De facto foi uma mais-valia muito grande para a minha vida. O movimento é um movimento que nos ajuda a viver a nossa vida muito mais feliz, com muito mais calma, mais tranquilidade, mais verdade”.

Às comemorações junta-se também o Arcebispo de Évora. Em nota pastoral, D. José Alves considera que o Movimento dos Cursos de Cristandade “é actual”, ainda “tem muito para dar à diocese”, embora sublinhe que os conteúdos doutrinais “poderão ser adaptados aos novos tempos”. Para o Prelado, cada curso “é uma forte experiência de vida cristã que vence resistências, transforma corações e aponta novos rumos de vida cristã”.

O ponto alto das comemorações acontece este Domingo (15 de Janeiro) em Vila Viçosa, com uma procissão com a Imagem de Nossa Senhora da Conceição, uma Ultreia [nome dado aos encontros de cursistas] diocesana e o Encerramento do Curso 113 de Senhoras, que está a decorrer.