Tempo
|

D. José Policarpo

"Maçonaria na política? Só me admiro que haja gente a surpreender-se com isso"

10 jan, 2012 • Paula Costa Dias

Cardeal Patriarca desdramatiza actual polémica sobre a maçonaria, mas considera negativo que a organização secreta tenha influência nas decisões políticas.

"Maçonaria na política? Só me admiro que haja gente a surpreender-se com isso"
"Maçonaria na política? Só me admiro que haja gente a surpreender-se com isso"
D. José Policarpo critica a "influência directa" da Maçonaria na política, mas não vê como fundamental que os políticos assumam se são maçons ou não. Em declarações aos jornalistas no final da reunião do Conselho Permanente, que decorreu esta manhã em Fátima, o cardeal patriarca disse ainda que fica admirado que haja alguém surpreendido com a "influência da Maçonaria na coisa política".
D. José Policarpo, presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, não se mostrou surpreendido com as revelações de envolvimento da maçonaria na política e afirma que esse não é um assunto que a Igreja considere prioritário.

“A maçonaria faz parte da sociedade, é conhecida há muito tempo. Que a maçonaria tem influência na vida política? Só me admira que haja gente a surpreender-se com isso neste momento. Mas isso não é, para nós, uma questão de primeiro plano”, considera D. José Policarpo.

O Patriarca não deixou de comentar a ironia de a maçonaria estar agora sob os holofotes: "Não deixa de ser interessante ser a própria maçonaria, que se primava pelo seu secretismo, forçada a vir para a luz do dia. Realmente, numa sociedade como a nossa, tudo o que se define como sendo secreto é um bocado incompatível".

Para o Cardeal Patriarca, não há necessidade de um maçon se assumir publicamente. “Não vejo porquê. A páginas tantas, também vão ter que assumir se são do Sporting ou do Benfica? Não me parece necessário.”

O ponto que D. José Policarpo questiona é a eventual influência em decisões políticas: “A maçonaria, enquanto tal, ter influência directa em coisas políticas, isso está mal. Agora se são maçons, ou católicos, ou do Sporting, isso não me parece importante”.

O Cardeal Patriarca falou aos jornalistas no final da reunião do Conselho Permanente da Conferência Episcopal Portuguesa, que decorreu hoje em Fátima.