Tempo
|

"Há que refazer o tecido social da fé”

03 jan, 2012 • Aura Miguel

Os três mais jovens Bispos portugueses debateram na Renascença os desafios da Igreja Católica para 2012, Ano da Fé.

"Há que refazer o tecido social da fé”

Recuperar a fé e refazer o seu tecido social é um dos grandes desafios da Igreja de hoje. A mensagem foi deixada na Renascença pelos três mais jovens Bispos portugueses.

Num debate sobre os desafios da Igreja Católica para 2012, Ano da Fé, o novo Bispo de Bragança-Miranda, D. José Cordeiro, considera preocupante o afastamento da vida cristã, mas ao mesmo tempo afirma que esta é uma realidade desafiante.

“Estamos a assistir a uma geração que começa a viver sem Deus e sem a Igreja e isso é preocupante, também em Bragança onde esse fenómeno começa a aparecer.”

Para o Bispo de Coimbra, D. Virgílio Antunes,  o grande desafio é devolver aos cristãos a vontade de “assumir a fé”, interior e exteriormente.

“Houve um período, em Portugal e na Europa, em que ser cristão passou a ser uma realidade quase escondida e penso que, hoje, estamos a ultrapassar já essa situação”, afirma D. Virgílio Antunes.

No mesmo sentido, o Bispo Auxiliar de Lisboa, D. Nuno Brás, defende a necessidade de “refazer o tecido social da fé”.

D. Nuno Brás diz que “hoje as pessoas têm vergonha de ser cristãos” e dá o exemplo de uma acção de evangelização realizada pela paróquia de Nossa Senhora de Fátima, em Lisboa.

“Consistia em entregar um desdobrável e as pessoas porem o nome num presépio. Qual não foi o espanto do pároco quando muitos dos estudantes – é uma zona universitária – era catequistas, faziam parte de grupos de jovens, mas simplesmente ali não se manifestavam”, lamenta o Bispo Auxiliar de Lisboa.