Tempo
|

Tibete

Dalai Lama questiona eficácia de auto-imolações

22 nov, 2011

“Acto requer coragem”, afirma o líder espiritual dos tibetanos, “mas que efeitos práticos tem?”

Dalai Lama questiona eficácia de auto-imolações
O Dalai Lama, líder espiritual dos tibetanos, duvida da eficácia de uma onda de auto-imolações que tem afectado a região.

Só este ano 11 pessoas, entre monges e freiras budistas, incendiaram-se em protesto contra a ocupação pela China e a campanha de difamação do Dalai Lama.

A maioria das vítimas acabou por morrer e o Governo chinês fala de uma campanha imoral e desumana condenada ao fracasso e acusa o Dalai Lama de instigar os actos. Polícias e militares na região têm feito patrulhas munidos de extintores.

Mas numa entrevista à BBC o Dalai Lama afirma que não tem encorajado os seus seguidores a cometer estes actos e coloca em causa a sua eficácia: “Há coragem, muita coragem. Mas que efeitos? Essa é a questão. Os chineses só respondem com mais dureza”.

Fontes contactadas pela BBC garantem, porém, que há mais religiosos no Tibete preparados para seguir o exemplo de quem se sacrificou para chamar a atenção do mundo para o sofrimento do seu povo.

A auto-imolação entre religiosos budistas não é inédita. Durante os anos 60 tornou-se famosa a auto-imolação como protesto contra a guerra do Vietname, muitas vezes levada a cabo por monges budistas. A prática é mais comum na Índia e é até sancionada por algumas correntes do Hinduísmo.

O caso recente mais famoso foi a morte de Mohamed Bouazizi, na Tunísia, que se incendiou em protesto contra o regime e acabou por inspirar a Primavera Árabe.