Tempo
|

Violência inter-religiosa

31 condenados à morte por massacre a muçulmanos na Índia

10 nov, 2011

Caso remonta a 2002 quando semanas de violência entre hindus e muçulmanos resultaram em mais de mil mortos.

Foram condenados a prisão perpétua 31 homens indianos, acusados de matar 33 muçulmanos no Estado de Gujarat, em 2002.

A violência inter-religiosa naquele Estado durou várias semanas e fez mais de mil mortos, sobretudo entre a comunidade muçulmana.

Tudo começou quando um comboio cheio de peregrinos hindus foi incendiado quando estava na estação de Godhra, num bairro predominantemente muçulmano, matando 59 pessoas. Em represália os hindus, maioritários na região, perseguirão, pilharam e mataram centenas de muçulmanos durante vários dias. As sequelas da violência duraram semanas e a polícia e as autoridades políticas, do partido radical hindu BJP, foram acusados de não ter feito o suficiente para proteger a comunidade muçulmana.

No caso que foi julgado agora 73 homens eram acusados de terem cercado um bairro muçulmano, incendiando as casas e queimando vivas 33 pessoas, incluindo 22 mulheres, numa só noite. Dos arguidos, 42 foram ilibados, enquanto os restantes 31 foram condenados a prisão perpétua e ao pagamento de multas.

Durante a violência em Gujarat morreram um total de 790 muçulmanos e 254 hindus. Outras 253 pessoas foram dadas como desaparecidas e 523 locais de culto foram destruídos, incluindo três igrejas.