Tempo
|

Açores

D. António Sousa Braga alerta para contestação social

07 nov, 2011

Serviços centrais da diocese de Angra do Heroísmo estão com dificuldades financeiras, avisa o Bispo, que pede a generosidade dos fiéis.

O país precisa mais do que nunca de coesão social. O alerta é do bispo dos Açores que pede bom senso e diálogo social entre o Governo e as diferentes forças políticas.

Caso contrário, admite D. António Sousa Braga, poderá estar em causa a convivência civil.
“Haja um mínimo de convergência que mantenha uma certa coesão social e o empenho de todos. Tem de haver também uma certa firmeza porque os tempos não são para brincadeiras, é preciso saber conduzir as coisas porque quando o povo tem demasiadas dificuldades pode-se por em questão a convivência civil e espero que haja aqui bom senso e diálogo e abertura de todas as partes”, afirma.

O apelo do Bispo dos Açores surge numa altura em que aumentam os pedidos de ajuda das famílias, é a própria diocese que enfrenta dificuldades económicas, como acontece com os próprios serviços centrais da diocese: “Temos alguma dificuldade em equilibrar as contas no sentido em que as receitas ordinárias não cobrem as despesas ordinárias. Temos de estar aqui sempre numa contenção de despesas, agora com esta situação de emergência social as coisas podem-se complicar. Aumentam os pedidos de auxílio sobretudo da parte de famílias que até agora não estavam habituadas a isso, prevendo-se que as coisas vão-se tornar mais difíceis no próximo ano”, avisa o bispo.

A preocupação do bispo dos Açores surge ainda numa nota pastoral para assinalar o Dia da Diocese. O ofertório das missas dos dias 12 e 13 deste mês, terá como finalidade ajudar os serviços centrais da diocese.