Tempo
|

Papa

"Que esta amizade nunca deixe de crescer"

28 out, 2011 • Filipe d'Avillez

Bento XVI recebeu os delegados do encontro inter-religioso de Assis para se despedir e elogiou a visão de João Paulo II em ter convocado o encontro de 1986.

"Que esta amizade nunca deixe de crescer"
O Papa despediu-se hoje dos delegados e líderes das diferentes religiões que acorreram ao encontro inter-religioso que decorreu ontem em Assis. Bento XVI lembrou que o encontro é reflexo de um trabalho diário de milhões de pessoas em todo o mundo.

“Este encontro é representativo dos milhões de homens e mulheres que trabalham activamente na promoção da justiça e da paz. É também sinal da amizade e fraternidade que floresceu, fruto dos esforços de tantos pioneiros neste tipo de diálogo. Que esta amizade nunca deixe de crescer entre os seguidores das religiões do mundo e os homens e mulheres de boa vontade”, afirmou o Santo Padre.

No seu curto discurso, o Papa louvou ainda a visão do seu antecessor, João Paulo II, ao convocar o primeiro encontro de Assis, em 1986. Trata-se de um reconhecimento muito significativo, uma vez que o então Cardeal Ratzinger não escondeu, na altura, o seu desagrado pela forma como o encontro decorreu. Para esta reedição foram mesmo tomadas medidas para evitar criar confusões e ideias de sincretismo que marcaram o evento em 1986.

Bento XVI louvou a iniciativa de ontem, mas, pelas suas palavras, entende-se que não deverá haver outra edição nos próximos anos.

“Encontros deste género são necessariamente excepcionais e infrequentes. Contudo, são uma expressão viva do facto de que todos os dias, pelo mundo, pessoas de diferentes tradições religiosas vivem e trabalham em harmonia. É certamente significativo para a causa da paz que tantos homens e mulheres, inspirados pelas suas mais profundas convicções, trabalham de forma comprometida pelo bem da família humana”, afirmou.