Tempo
|

Fátima

Terço e ícones mantiveram a Fé viva durante o regime comunista

13 out, 2011

A presença de dezenas de russos católicos na peregrinação a Fátima é um “sinal de esperança”, diz a irmã Teresa Ramos.

Milhares de pessoas participaram em Fátima na peregrinação internacional aniversária de Outubro, presidida pelo Arcebispo de Moscovo. A celebração trouxe este ano ao santuário muitos peregrinos da Rússia, entre eles a irmã Teresa Ramos.

Há 13 anos naquele país, esta portuguesa, franciscana missionária de Maria, garante que os católicos russos têm grande devoção a Nossa Senhora de Fátima.

Foi graças ao terço católico e os ícones ortodoxos que mantiveram a Fé viva, apesar da opressão do regime comunista, recorda.

“Nós costumamos dizer que a Fé manteve-se na Rússia graças, na Igreja Ortodoxa, aos pequenos ícones dados de avós para netos, e a reza do terço na Igreja Católica.”

As pessoas não tinham acesso a nenhuma formação religiosa, diz a irmã Teresa Ramos, porque o regime comunista “destruiu todas as raízes da sociedade” e “todas as tradições cristãs foram transformadas”.  

A presença de dezenas de russos católicos na peregrinação internacional aniversária de Fátima é um “sinal de esperança” para a irmã Teresa Ramos.

“Para nós, católicos russos, é muito importante vermos que não estamos sozinhos”, sublinha esta franciscana missionária de Maria.