Tempo
|

Vaticano assina tratado com a Palestina e reforça aposta numa solução de dois estados

26 jun, 2015 • Filipe d’Avillez

A Santa Sé espera que este acordo, que regula as actividades da Igreja Católica na Palestina, sirva de exemplo de cooperação numa região onde os cristãos são muito perseguidos.  

A Santa Sé e a Autoridade Palestiniana assinaram esta sexta-feira um acordo em que se refere à Palestina como um estado, oficializando pela primeira vez num documento bilateral este reconhecimento, que o Vaticano adoptou a partir do momento em que as Nações Unidas admitiram a Palestina como estado observador.

O acordo firmado diz respeito às actividades da Igreja Católica em território palestiniano e é, segundo a Santa Sé, fruto de vários anos de diálogo entre as partes.

No discurso feito por altura da assinatura, o secretário da Santa Sé para as relações com os Estados, o arcebispo Paul Richard Gallagher, refere que este acordo pode ser um exemplo para o resto da região.

"Na complexa realidade do Médio Oriente, onde em alguns países os cristãos têm sofrido perseguição, este acordo oferece um bom exemplo de diálogo e de colaboração, e espero sinceramente que isto sirva de modelo para outros países de maioria árabe ou islâmica", disse.

O arcebispo sublinha ainda a posição do Vaticano, que há anos defende para a Terra Santa uma solução que passa pela coexistência pacífica de dois estados independentes. Israel, contudo, continua a recusar o reconhecimento da Autoridade Palestiniana como Estado.

"É minha esperança que o presente acordo possa de alguma maneira estimular o surgimento de um fim definitivo para o conflito israelo-palestiniano que dura há tanto tempo e que continua a causar sofrimento para ambas as partes", afirma. 

"Espero ainda que a tão desejada solução de dois Estados possa tornar-se uma realidade o mais rapidamente possível. O processo de paz apenas poderá avançar se for alvo de negociações directas entre as partes, com o apoio da comunidade internacional. Isto requer certamente decisões corajosas, mas será também um enorme contributo para a paz e a estabilidade da região", insiste.

Por seu turno, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Palestina, Riad Al-Maliki, realçou a importância histórica deste acordo: "Pela primeira vez, o acordo inclui o reconhecimento oficial da Palestina como Estado pela Santa Sé, em reconhecimento do direito do povo palestiniano à autodeterminação, liberdade e dignidade num estado independente próprio, livre das amarras da ocupação."

"Também apoia uma visão para a paz e a justiça na região, de acordo com o direito internacional e tendo por base dois estados, vivendo lado a lado em paz e segurança, com base nas fronteiras dos acordos de 1967", refere o ministro palestiniano.