Tempo
|

O beijo de Elvis que ajudou uma freira a salvar um mosteiro

19 mai, 2015 • Filipe d'Avillez

Este não é um beijo técnico qualquer. Dolores Hart pensava ter deixado para trás a sua curta carreira de Hollywood, mas graças a ela acabou por salvar o seu mosteiro.

O beijo de Elvis que ajudou uma freira a salvar um mosteiro
Podia ter sido só um beijo, mas sendo com Elvis nunca seria só um beijo. Em 1957, Dolores Hart tornou-se a primeira mulher a beijar Elvis Presley no grande ecrã. “Loving You” foi o primeiro filme com a estrela musical a desempenhar o papel principal e foi um grande sucesso de bilheteira.

O futuro de Dolores no estrelato de Hollywood também parecia garantido, mas a jovem actriz acabou por responder a um chamamento maior e, seis anos mais tarde, quando tinha apenas 25 anos, ingressou num mosteiro beneditino no Connecticut.

A sua história acabou por ser praticamente esquecida durante as próximas décadas. No mosteiro, as monjas dedicavam-se ao fabrico de mobiliário de latão, para além da sua rotina diária de oração e silêncio.

Mas os tempos revelaram-se difíceis. A fábrica, um complexo industrial que tinha sido adquirido pela ordem em 1947, estava em cada vez pior estado e com o futuro definitivamente posto em causa quando uma inspecção detectou inúmeros riscos para a saúde que obrigavam a obras e renovações no valor de cerca de nove milhões de dólares.

Confrontadas com o perigo de ter de encerrar e mudar de local, a solução acabou por vir precisamente daquela parte da sua vida que Dolores pensava ter deixado para trás.

"God is the Bigger Elvis"
Em 2011, a história foi descoberta pela agência Associated Press. Entusiasmadas pelo interesse público, as monjas encorajaram Dolores a escrever uma biografia. Seguiu-se um documentário "God is the Bigger Elvis" (Deus é o Elvis Maior), entrevistas televisivas e um circuito de palestras. 

A juntar aos lucros da venda do livro e do documentário, começaram a chegar donativos de pessoas que tinham tomado conhecimento da história. Dinheiro vindo dos quatro cantos do mundo deu esperança às monjas. Há um homem que manda 100 dólares por mês e uma mulher da Nova Zelândia mandou três mil.

"Os fãs do Elvis não têm muito dinheiro, mas mandaram uns quantos dólares e todo o seu amor", diz Dolores Hart, citada pelo site de informação religiosa "Crux".

Até ao momento, segundo o "Crux", o mosteiro já angariou cerca de três milhões de dólares que já deram para enfrentar as necessidades mais urgentes. Mas cientes de que uma oportunidade destas dificilmente se voltará a apresentar, as irmãs querem angariar o máximo possível para deixar o mosteiro bem preparado para as próximas gerações.

É que a história da freira que foi a primeira a beijar Elvis no cinema não está só a atrair cifrões. São cada vez mais as jovens raparigas que vêm visitar o mosteiro para procurar conselhos e direcção espiritual, ao ponto que nesta altura não há mais espaço na ala reservada às noviças.

Ainda surpreendida com o desenrolar de toda esta situação, a irmã Dolores Hart, agora com 76 anos, admite que "não podia pedir um legado melhor".