Tempo
|

Há uma "tragédia" em curso no Iraque e no Líbano

17 mar, 2015 • Ângela Roque

Fundação Ajuda à Igreja que Sofre passará 13 dias a visitar campos de refugiados.

A Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), dependente da Santa Sé, vai visitar, durante 13 dias, os campos de refugiados no Líbano e o Curdistão iraquiano, onde se concentram também muitos dos que fogem à perseguição dos radicais islâmicos.

"No Líbano vamos a Beirute e Izaal, duas zonas que fazem fronteira com a Síria, e onde há refugiados da Síria e refugiados do Iraque. E vamos ao Norte iraquiano", explica Catarina Martins, responsável pela AIS em Portugal. Integra a delegação internacional que parte esta quarta-feira para a região.

Muitos campos já estão a "rebentar pelas costuras" e receia-se um drama humanitário. Muitos estão abrigados em casas religiosas e seminários, mas aos campos "continuam a chegar cada vez mais famílias porque há sempre novos focos de tensão".

"Vamos ao terreno para ver essas necessidades, perceber o que é que podemos fazer mais e melhor", diz.

A AIS apoia "as irmãs e os padres que estão no terreno" com donativos, que se destinam-se sobretudo à compra de "alimentação, medicamentos, combustível, geradores, as coisas mais básicas para a sobrevivência".

Entre os projectos prioritários estão também as escolas para as crianças que vivem há meses nos campos de refugiados: "Já construímos algumas, três já estão a funcionar, queremos pôr outras três a funcionar em breve, para que estas crianças possam continuar a ir à escola e a aprender".

Pressionar comunidade internacional
A delegação da AIS pretende também recolher o máximo de informação possível para continuar a pressionar a comunidade internacional a fazer alguma coisa.

"Quem está no terreno nota que muitas vezes só chegam à comunicação social pequenos apontamentos", diz. "O nosso objectivo é recolher testemunhos para dar a conhecer mais e melhor esta tragédia".

A perseguição aos cristãos vai ser analisada pelo Conselho de Segurança da Nações Unidas no dia 27. "Antes tarde que nunca", diz Catarina Martins.

A delegação internacional da AIS que vai visitar o Iraque e o Libano inclui elementos da Alemanha, França, Espanha, Portugal e Chile. A viagem vai decorrer entre quarta-feira a 31 de Março.