Tempo
|

Teólogos e economistas reflectem sobre mercados financeiros

02 fev, 2015

Jornadas de Teologia da Católica começam esta segunda-feira. Em alturas de crise, pode haver maior procura da dimensão religiosa, diz director da Faculdade de Teologia.

Teólogos e economistas reflectem sobre mercados financeiros

Inspirada pelas ideias do Papa Francisco, a Faculdade de Teologia da Universidade Católica do Porto decidiu dedicar as Jornadas de Teologia da instituição à economia.

"O Papa refere que a economia mata. Isto levou a que a Faculdade de Teologia, em conjunto com a Faculdade de Economia e Gestão, tenha pensado fazer umas jornadas precisamente sobre estas implicações económicas, procurando de alguma maneira colocar teólogos, economistas e gente do mundo dos mercados financeiros a reflectir em conjunto", explica o director da faculdade, Adélio Abreu.

O evento, que tem início esta segunda-feira, tem por tema oficial "A economia que mata e a economia que faz viver".

"Um dos princípios do liberalismo económico passava pelo facto da economia ser amoral, ou seja, não ter moral. Hoje em dia, creio que, muitas vezes, quando se vê uma certa defesa de que os mercados financeiros devem regular-se por si próprios apenas segundo as leis da economia, nós podemos perguntar 'Mas tem de ser necessariamente assim?'", questiona Adélio Abreu, lembrando que teologia e economia "tratam de uma realidade que tem a ver com o homem".

As jornadas acontecem numa altura em que a crise ainda está bem patente. Em tempos como este, pode haver mais procura pelo religioso, diz o director da Faculdade de Teologia da Católica.

"Admito que isso seja possível, que as pessoas diante da dificuldade, diante do limite, se voltem mais para Deus, se abram mais à dimensão do transcendente. Pode nem sempre ser pelos melhores motivos, mas admito que o limite possa ser uma alavanca que projecta também a pessoa numa busca de sentido", remata.