Tempo
|

Francisco fez questão de celebrar missa em Tacloban apesar do tufão

17 jan, 2015

"Eu vim às Filipinas, antes de tudo, para ir a Tacloban. Estou disposto a antecipar o que for preciso, mas temos de voar até lá, seja como for”, disse o Papa.

Um tufão obrigou o Papa a interromper a sua visita, este sábado, à região de Tacloban. Uma visita que Francisco fez questão de incluir na sua viagem às Filipinas, precisamente para estar com as vítimas de um outro tufão que matou milhares de pessoas em Novembro de 2013.

Mas essa acabou por ser uma visita breve, perante a força de um tufão de grau dois.

No regresso a Manila, o Arcebispo de Manila e o padre Federico Lombardi, porta-voz da Santa Sé, deram uma conferência de imprensa.

O padre Lombardi contou aos jornalistas a forma como o Papa Francisco fez questão de celebrar missa e viver essa experiência com os habitantes de Tacloban.

“O piloto do avião disse que temos de partir o mais cedo possível, porque durante o dia a situação vai piorar. O Papa disse: ‘Eu vim às Filipinas, antes de tudo, para ir a Tacloban. Estou disposto a antecipar o que for preciso, mas temos de voar até lá, seja como for.’”.

O padre Lombardi acrescenta que “houve uma ligação telefónica com os organizadores de Tacloban, e eles disseram: ‘há muita chuva e muito vento, é difícil celebrar missa ao ar livre’, por isso, propuseram ir para a Catedral ou para a sacristia e transmitir pela televisão a missa celebrada pelo Papa, mas o Papa respondeu que não, que isso era ‘absolutamente impossível: se o povo está lá fora no recinto, temos de estar com eles e celebrar com ele’.

Segundo Lombardi, “esta experiência de celebrar missa debaixo de chuva e no meio da tempestade, é algo que tem para ele um profundo significado”.

Cardeal Luís Tagle, arcebispo de Manila, perguntou ao Papa "se alguma vez tinha celebrado com uma gabardine vestida por cima da casula e ele disse que não, que esta foi a primeira vez, portanto foi uma ocasião única! Um evento histórico".

"No voo de regresso, perguntei-lhe se ele, tal como os filipinos, está habituado a este tipo de tufões e tempestades. E ele disse: “não, não! Já experimentei chuvas ocasionais, mas um tempo assim, nunca”! Por isso, foi outra estreia!
Ele ficou muito admirado por nós, nas Filipinas termos uma média de 20 a 22 tufões por ano. Ele reagiu e: “O quê?” E eu respondi: “Este... é apenas um tufão normal... Um tufão normal", disse Tagle.

Este domingo o Papa vai estar em Manila. Primeiro terá um encontro com jovens e depois celebrará missa. As autoridades esperam condições atmosféricas adversas, devido ao tufão, mas são esperados milhões de fiéis.

Francisco realizará missa no mesmo local onde João Paulo II, há 20 anos, reuniu mais de quatro milhões de pessoas.

[actualizado às 17h15]